Em onde-investir / renda-fixa

Tenho R$ 50 mil para investir e quero uma renda mensal de R$ 1 mil; é possível?

Assessores explicam cenário e sugerem aplicações para obter melhor rentabilidade

SÃO PAULO – Alcino é leitor do InfoMoney e quer investir. Ele possui um montante de R$ 50 mil e quer aplicar de forma a obter um rendimento mensal de R$ 1 mil, sendo que o dinheiro ficará aplicado por um prazo superior a dois anos. “Esse cenário é possível? ”, questiona.

Daiane Reis, assessora de investimentos na Monte Bravo, explica que os juros ainda estão interessantes, mas que as taxas recuaram muito com a perspectiva de queda dos juros no mês de outubro, tornando esse cenário inválido. “Para obter R$ 1 mil de R$ 50 mil, estamos falando em 2% ao mês, e hoje isso não é mais possível como já foi no início do ano, com algumas debentures incentivadas, isentas de Imposto de Renda”, afirma.

O assessor da LHX Investimentos, Thiago Edirley Nemezio, compartilha da opinião de Daiane. Segundo ele, para obter uma renda mensal de R$ 1 mil, o investidor precisaria de um patrimônio aproximado de R$ 205 mil aplicados a uma taxa de 6% acima da inflação. “É impossível conseguir um rendimento mensal de R$ 1 mil aplicando-se R$ 50 mil, já que o retorno anual acima da inflação teria que ser de aproximadamente 27%, ou seja, impossível”, diz.

Nemezio diz que como colocou-se um prazo superior a dois anos, é possível utilizar os R$ 50 mil como ponto de partida. “Aplicando-se R$ 2 mil mensais durante 5 anos, juntamente com a aplicação inicial de R$ 50 mil, consegue-se um rendimento de R$ 1 mil”, sugere. Ele explica que para as simulações foram utilizadas taxas de retorno real, ou seja, acima da inflação, já que os R$ 1 mil desejados devem manter o poder de compra atual

Os produtos mais indicados, segundo ele, são os títulos do Tesouro Direto, NTN-B (indexada à inflação), LFT (pós-fixada, indexada à taxa Selic), Fundos Multimercados, Fundos de Crédito Privado e Debêntures Incentivadas, tendo sempre em mente a importância de criar uma reserva de segurança. “Cuidado com contas otimistas demais que não levam em conta o retorno real, acima da inflação”, frisa.

Apesar do cenário apresentado pelo leitor não ser possível na economia atual, Daiane afirma que com o valor investido ainda é possível receber uma renda de 1% ao mês, através de aplicações em CDBs (Certificado de Depósito Bancário), Debêntures, CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio), CRI (Certificado De Recebíveis Imobiliários) e Fundos Multimercados dependendo do perfil do cliente. “Em dois anos ele com certeza terá um excelente retorno”, afirma.

Segundo a assessora, investidores de perfil conservador podem optar pela aplicação em CDB e títulos públicos. Para perfil moderado, ela sugere que o investidor analise as opções de Debêntures, CRA, CRI e Fundos Multimercados. Já para o perfil arrojado, Daiane afirma que todas opções anteriores se enquadram e adiciona os fundos de ações, “sendo um bom momento para se pensar em renda variável também”.

Notas de 100
(Shutterstock)

Contato