Por Leonardo Pires Uller Em onde-investir  18 nov, 2013 13h50

5 dicas de previdência para você ganhar mais e ter uma aposentadoria tranquila

É importante que o investidor escolha instituições confiáveis, afirma o planejador financeiro Luciano Pinheiro

Por Leonardo Pires Uller Em onde-investir  18 nov, 2013 13h50

SÃO PAULO – A previdência privada é um dos investimentos preferidos da maioria dos brasileiros na hora de guardar dinheiro para a aposentadoria. No entanto, para que a previdência seja boa escolha é necessário que o investidor escolha muito bem seu plano para evitar dores de cabeça no futuro. O InfoMoney conversou com Luciano Pinheiro, CFP (Certified Financial Planner) certificado pelo IBCPF, que listou cinco dicas que as pessoas devem levar em conta quando o assunto é previdência privada.

1 – Escolha o plano mais adequado
O primeiro passo na hora de escolher o plano de previdência é saber qual é o plano mais adequado para o seu perfil. O PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) é mais indicado para as pessoas que fazem a declaração completa do imposto de renda, enquanto o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) é melhor para as pessoas que seguem o modelo simplificado. “Esse é o ponto de partida para a pessoa definir seu propósito na hora de entrar na previdência”, afirma Pinheiro.

2 – Escolher bem a instituição
Segundo o planejador financeiro, um dos maiores riscos do investimento em previdência é que a instituição financeira escolhida quebre. “Por isso, é importante que o investidor escolha uma instituição sólida e tradicional”, ressalta.

3 – Avaliar os custos e condições
As taxas de administração e carregamento também são um importante fator a ser avaliado na hora de contratar um plano de previdência. “Dependendo do volume a ser aplicado, a taxa de carregamento pode ser zerada”, explica Luciano Pinheiro. Além disso, o especialista afirma que é importante também que o investidor saiba a carência para resgates em seu plano, uma vez que assim pode se programar melhor para eventuais emergências.

4 – Conheça seu perfil
Por mais que a previdência seja, grosso modo, um investimento mais conservador, é possível encontrar planos compostos, que investem no máximo 49% de sua carteira em renda variável. Segundo o planejador, a regra geral é que investidores mais jovens podem tomar mais riscos, no entanto, é importante saber se o momento é adequado para entrar na renda variável e, principalmente, identificar seu próprio perfil como investidor.

 

5 – Acompanhe seu plano
“O investidor nunca deve deixar seu plano abandonado, ele deve acompanhar sempre”, alerta Luciano Pinheiro. De acordo com o planejador financeiroé necessário que o investidor acompanhe a rentabilidade de seu plano. Além disso, é importante também que as pessoas conheçam outros produtos de previdência novos e, quando necessário, se utilizem da ferramenta da portabilidade para migrar para fundos mais atrativos.

Aposentadoria feliz
(Getty Images)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Contato