Em onde-investir / acoes

Sem mudanças nas elétricas, Ibovespa deve seguir com ganhos nesta sessão

Mesmo com investidores de olho em reunião da presidente, companhias elétricas lideraram ganhos na véspera e devem seguir em trajetória ascendente

SÃO PAULO - Após uma sessão com forte volatilidade na última quarta-feira (9), o Ibovespa ganhou um pouco de forças no fim do pregão e fechou com alta de 0,74%, aos 61.548 pontos, interrompendo uma sequência de três quedas. O dia ficou marcado por cautela quanto a realização da reunião da presidente Dilma Rousseff com o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, sobre o setor elétrico.

Apenas na última meia hora de pregão que o ministro realizou pronunciamento, dizendo que não deve ocorrer racionamento de energia no País e que os cortes nas contas devem ocorrer como previsto, com pelo menos 20%, ainda em janeiro. Porém, Lobão afirmou que obras no setor estão atrasadas.

Passada a reunião, os investidores ainda devem seguir com ligeira cautela. Para o analista da Trader Brasil, Alan Soares, o temor quanto ao racionamento de energia afeta os investidores ao ponto em que o crescimento do País pode ser prejudicado por medidas a serem tomadas, porém, como já foi visto no último pregão, o setor deve apresentar recuperação nesta quinta-feira (10).

Para ele, após o ministro da Fazenda, Guido Mantega, projetar crescimento para o país de 4%, o que não ocorreu em 2012, o mercado pode ver novamente as previsões não se concretizarem. Mesmo com a confirmação de nenhuma mudança quanto ao setor elétrico, os investidores devem manter uma ligeira cautela, mas na véspera já pode ser visto uma recuperação para as companhias do setor, com a Cesp (CESP6) liderando os ganhos, subindo 6,72% para R$ 18,90.

A agenda nesta quinta-feira será pouco movimentada, com destaque para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que é utilizado pelo Banco Central do Brasil para o acompanhamento dos objetivos estabelecidos no sistema de metas de inflação.

ações - bolsa de valores - Bovespa - mercado financeiro
(Divulgação/BM&FBovespa)

Contato