Em negocios / startups

Cade vai investigar bancos após denúncia do Nubank

Nessa etapa, o Cade vai apurar se houve infrações à ordem econômica por parte dos bancos

NuBank
(Divulgação/Nubank)

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu abrir um inquérito para investigar os bancos Itaú, Santander, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Bradesco, com base na denúncia feita pelo Nubank de que os bancos estariam prejudicando a concorrência livre no mercado de cartões de crédito do País.

Segundo apurou a reportagem, a representação da fintech alega que os cinco bancos estariam impedindo, por exemplo, que os usuários do cartão de crédito da companhia colocassem o pagamento de suas faturas em débito automático. Em entrevista recente ao Estado, o presidente executivo do Nubank, David Vélez, se queixou desse ponto em específico. Nos últimos meses, a startup paulistana tem testado a NuConta, sua conta bancária. "Com ela, os clientes não terão mais esse problema", disse. O produto não tem previsão de lançamento.

Além disso, a denúncia também diz que pode haver conluio entre os bancos para atrapalhar o Nubank, bem como assédio das empresas a funcionários estratégicos da startup. A denúncia foi feita em maio de 2017 e agora será investigada. Nessa etapa, o Cade vai apurar se houve infrações à ordem econômica por parte dos bancos. Por enquanto, a autarquia decidiu não aplicar nenhuma medida preventiva às instituições.

Procurado, o Nubank disse que "confia que as autoridades reguladoras continuarão a proteger e a estimular a competitividade no setor, garantindo que novos entrantes continuarão a ter espaço para inovar e oferecer mais e melhores opções para as pessoas". O Banco do Brasil afirma que "prestou todos os esclarecimentos ao Cade" e nega adoção de práticas anticomerciais. O Itaú também negou imposição de barreira e disse defender a livre concorrência. O Bradesco não vai comentar o assunto. Caixa e Santander não responderam aos pedidos de entrevista até o fechamento desta edição. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Contato