Em negocios

Brasil é o terceiro País com maior número de empreendedores

Um em cada quatro brasileiros, ou cerca de 27% da população brasileira, está envolvido em um negócio

SÃO PAULO - O Brasil é o terceiro País do mundo em número de empreendedores, com mais de 27 milhões de brasileiros envolvidos com algum negócio. Isso significa que um em cada quatro brasileiros tem um negócio próprio ou estão envolvidos na criação de uma empresa.

Os dados fazem parte da pesquisa MPE INDICADORES - Pequenos Negócios no Brasil, realizada pelo Sebrae (Agência de Apoio ao Empreendedor e Pequeno Empresário) em parceria com IBQP (Instituto Brasileiro de qualidade e produtividade).

Em números de empreendedores, o País só perde para a China, que tem mais de 373,5 milhões, e para os Estados Unidos, com 41,3 milhões. Mesmo assim, o Brasil está à frente de 135 países.

Grande parte desses negócios é de PMEs (Pequenos e Médios Empresários) pertencentes à classe C, no setor de Comércio. A maior parte deles também está na região Sudeste, 49%, seguidos pelas regiões Sul e Nordeste, ambas com 19%. Ao todo, são mais de 6,9 milhões de pequenos negócios optantes pelo Simples Nacional.

Novos negócios e sobrevivência crescem
Dos 27 milhões de empreendedores, 15 milhões estão em novos negócios que vão de três meses a três anos e meio. As empresas estabelecidas, com mais de três anos e meio, somam 12 milhões de empreendedores.

Atrelado ao tempo de vida das empresas brasileiras, a taxa de sobrevivência dos negócios também aumentou. Há dez anos, essa taxa variava em 50% e, atualmente, esse índice chega em 73%. Por região, novamente no Sudeste estão as empresas com a maior média de sobrevivência, com 76,4%. Em contrapartida, as empresas do Norte têm a menor sobrevivência captada pelo estudo: 66%.

Microempreendedor Individual
De 2006 a 2011, a taxa de participação das MPMEs (Micro, Pequenas e Médias Empresas) aumentou em 15%, passando de 15% para 30%, com arrecadação de R$ 15,2 bilhões em 2011.

Segundo os MEIs (Microempreendedores Individuais), o maior motivo para a formalização foi regularizar sua empresa, para 42%. Já para 31%, o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) foi a principal razão. Entre os impactos da formalização estão aumento de faturamento, 55%, controle financeiro, 52%, e ampliação de investimentos, para 54%.

Startup - Abertura de empresa - Novos negócios
(Getty Images)

Contato