Franquia: criar hábito de alugar ferramentas é aposta da Casa do Construtor

Rede que já conta com 90 unidades quer criar cultura de locar ferramentas para construção para alcançar 250 pontos até 2015
Por Equipe InfoMoney  
a a a

SÃO PAULO - Qual o preço para colocar em prática uma boa ideia? Para os empreendedores Altino Cristofoletti e Expedito Arena, algumas betoneiras antigas, equipamentos e ferramentas para construção, além de oito mil reais. “Era o que nós tínhamos quando começamos a primeira loja do que depois se transformaria na Casa do Construtor”, lembra Expedito Arena, um dos fundadores da marca.

Cristofoletti e Arena eram amigos desde a juventude, e tinham um projeto de empreender desde muito tempo – ainda que não soubessem exatamente o que fariam. “Ficamos em 93 e 94 como loja de material de construção e locação de equipamentos para construção e depois abandonamos a venda de material”, conta Arena.

Hoje, a proposta da Casa do Construtor é servir como solução locando equipamentos para construção civil, única empresa que atua nesse modelo com o sistema de franquia no Brasil. E é com esse sistema que a Casa do Construtor chegou a 15 estados, com uma rede de mais de 90 unidades.

Inovação
Ao contrário das redes que locam esses equipamentos para grandes obras, a ideia do negócio é ofertar equipamentos de pequeno e médio porte – como ferramentas elétricas, rompedores, betoneiras, painéis e acessórios para andaimes para construtoras e consumidores para reformas e construções de pequeno porte.

“Gosto de nos definir como um agente facilitador. Antes as pessoas não tinham acesso a equipamentos, a burocracia era muito grande, hoje qualquer pessoa chega com seus documentos e aluga um equipamento sem burocracia”, define o empreendedor do negócio.

Para ser um franqueado, há uma exigência específica: é necessário estar à frente da operação. Não é necessário ter especialização – nem na área de construção nem de equipamentos -, já que, antes de abrir uma unidade, o empreendedor passa por até 20 dias de treinamento, que vai desde o conserto dos equipamentos às boas práticas de venda. “O que busca um cliente que vai locar um equipamento que ele sequer usa muitas vezes? Gosta de receber conhecimento, segurança, saber que está fazendo economia, e obtendo praticidade no serviço”, aponta.

Diferente
Segundo Arena, a atuação voltada para empreendimentos de pequeno porte e o sistema de franchising garantem um modelo completamente inovador na Casa do Construtor. “Pelo que vimos mundo afora, somos os únicos atuando nesse sistema”, analisa um dos fundadores da empresa.

Manter um sistema diferenciado – tanto pelo mercado onde a Casa do Construtor atua quanto pela escolha pelo modelo de franquia -, requer uma atenção especial à gestão de pessoas e talentos. “Investimos muito na formação de nossas equipes. Hoje temos 32 pessoas entre técnicos, engenheiros e psicólogos que trabalham no suporte da rede, na formação de pessoas. Esse é um trabalho contínuo, que requer constante atualização”, diz Arena, lembrando que o mercado da construção é conhecidamente um segmento repleto de particularidades e mudanças.

Segundo o executivo, apenas em 2010 foram ministradas 13 mil horas de treinamento na empresa, além de seis mil horas de consultoria de campo nos 15 estados em que a Casa do Construtor atua.

Endeavor
Esse esforço inovador foi reconhecido e referendado. Recentemente, a Casa do Construtor foi escolhida para ser uma empreendedora Endeavor, na Cidade do México. A Endeavor é uma organização internacional, sem fins lucrativos, que promove a cultura empreendedora de alto impacto nos países em desenvolvimento como Brasil, México e Turquia.

A ideia da organização é buscar empresários que revolucionam o mercado, incentivando-os a contar suas histórias de sucesso, influenciando novas gerações. Com a distinção, a marca, que foi selecionada entre outras centenas do mundo todo, passará por programas de orientação em gestão e estratégia para alavancar o negócio. Em troca, terá que compartilhar contatos e sua experiência com outros membros da organização.

“Ficamos muito felizes, é uma prova de que estamos no caminho certo. Para atingir nossa meta, de ter 250 lojas até 2015, precisamos contar com profissionais cada vez mais qualificados e ter a distinção da Endeavor nos ajuda a desenvolver soluções para lidar com as dificuldades que poderão surgir”, diz Arena.

Quem pode
Para ser um franqueado da Casa do Construtor, o empreendedor deve dispor de uma quantia que gira em torno de R$ 500 mil, sendo incluído nesse valor a taxa de franquia, capital de giro, equipamentos da loja, veículo, computador e outras estruturas. “Desse montante, 80% são de máquinas que você coloca para alugar, o mais oneroso do negócio”, conta Arena.

O retorno do investimento é previsto para 24 meses. “Porém é bom lembrar que o nosso negócio é do tipo que demanda capital intensivo, ou seja, se eu tenho dez equipamentos posso alugar os dez, mas se tenho cem posso alugar os cem, então esse prazo pode ser menor”, orienta o sócio e fundador da marca.

Apesar do bom momento vivido pela construção no Brasil, é o crescimento da cultura de locação de ferramentas e equipamentos que anima a empresa a projetar uma expansão tão agressiva para o futuro. “Só no último ano, crescemos 60%, baseado na busca cada vez maior pelo nosso modelo de serviço. Essa expansão da cultura permite que nós pensemos na continuidade desse processo de crescimento”, afirma, otimista, Arena.

Assuntos relacionados: Franquia

Deixe seu comentário