Em minhas-financas

Dinheiro vivo pode desaparecer na China, afirma banco central

Yuan
(Shutterstock)

(Bloomberg) -- Os órgãos reguladores financeiros da China estão reprimindo as criptomoedas, mas isso não quer dizer que não gostem da ideia de usar dinheiro digital.

O presidente do Banco Popular da China, Zhou Xiaochuan, deixou isso claro em entrevista coletiva concedida em Pequim, nesta sexta-feira, ao afirmar que o dinheiro físico pode se tornar obsoleto algum dia. Zhou disse que o banco central chinês estuda as moedas digitais em busca de métodos de pagamento mais rápidos, baratos e práticos, e ao mesmo tempo alertou que criptomoedas como o bitcoin -- usada com mais frequência para especulação do que para pagamentos -- não contribuem para a economia.

“Devemos evitar grandes erros que possam gerar prejuízos irreparáveis, por isso somos cautelosos”, disse Zhou, em talvez uma de suas últimas aparições públicas, antes de sua esperada aposentadoria. “Não gostamos de criar produtos para especulação e para gerar nas pessoas a ilusão de que podem enriquecer da noite para o dia.”

A China, que antes abrigava as bolsas de bitcoins mais ativas do mundo, proibiu esses estabelecimentos no ano passado em meio a uma ampla repressão às moedas virtuais. No entanto, o país continua sendo líder mundial em pagamentos digitais graças à popularidade de plataformas desenvolvidas pelas gigantes da tecnologia Alibaba Group e Tencent.

--Com a colaboração de Jun Luo

Versão em português: Patricia Xavier em Sao Paulo, pbernardino1@bloomberg.net.

To contact Bloomberg News staff for this story: Tian Chen em Beijing, tchen259@bloomberg.net.

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Richard Frost, rfrost4@bloomberg.net, Michael Patterson

©2018 Bloomberg L.P.

Contato