Em minhas-financas / credito

Contrariando expectativas, juros ao consumidor têm alta em novembro

Segundo a Anefac, a taxa média de juros para pessoas físicas registrou, no penúltimo mês do ano, 5,63% ao mês, a maior desde setembro

percentagem - taxa de juros - Selic - faísca
(Getty Images)

SÃO PAULO – Contrariando expectativas, a taxa de juros ao consumidor interrompeu uma sequência de quatro quedas e registrou elevação em novembro, atingindo 5,63% ao mês, a maior taxa desde setembro deste ano, de acordo com a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

Na comparação entre novembro deste ano e de 2011, contudo, houve redução de 1,04 ponto percentual, visto que no décimo primeiro mês do ano passado, a taxa média de juros para a pessoa física estava em 6,67% ao mês.

Segundo o levantamento, divulgado nesta terça-feira (11), no geral (considerando pessoa física e jurídica), a expectativa era de que as taxas de juros das operações de crédito seriam reduzidas, mesmo com a manutenção da Selic, por conta da maior competição das instituições financeiras e após os bancos públicos reduzirem suas taxas de juros.

A Anefac ressalta ainda que, tecnicamente, não há explicação para a elevação, uma vez que tanto a Selic (taxa básica de juros) como a inadimplência permaneceram inalteradas no período analisado, além da tendência ser de redução nos índices de inadimplência nos próximos meses.

Selic e juros ao consumidor
De acordo com dados divulgados pela Anefac, desde julho de 2011 até novembro de 2012, a taxa básica de juro reduziu 5,25 pontos percentuais, ao passar de 12,50% ao ano no sétimo mês do ano passado para 7,25% ao ano no penúltimo mês de 2012, enquanto os juros ao consumidor apresentaram uma redução de 28,26 pontos percentuais no mesmo período, chegando a 92,95% ao ano no mês passado.

Segundo a Anefac, a perspectiva é de que as taxas de juros voltem a ser reduzidas nos próximos meses, refletindo a maior competição no sistema financeiro, bem como a expectativa de redução nos índices de inadimplência.

Por modalidade
Entre outubro e novembro deste ano, das seis linhas de crédito pesquisadas, apenas o cartão de crédito se manteve estável. As demais, foram elevadas.

A tabela abaixo inclui a taxa média mensal cobrada nas seis modalidades de financiamento para as pessoas físicas acompanhadas pela Anefac, para outubro e novembro de 2012, assim como a taxa no penúltimo mês do ano passado, além da variação em pontos percentuais:

 

Tipo de Financiamento Novembro/11(%) Outubro/12(%)   Novembro/12(%) Var.Mês Var.12 meses
Crediário 5,46 4,10 4,30 +0,20 -1,16
Cheque Especial 8,41 7,75 7,92 +0,17 -0,49
Cartão 10,69 9,37 9,37 0 -1,32
CDC Banco 2,20 1,49 1,64 +0,15 -0,56
Empréstimo Pessoal 4,39 3,02 3,14 +0,12 -1,25
Financeira 8,88 7,24 7,42 +0,18 -1,46
Taxa Média 6,67 5,50 5,63 +0,13 -1,04

Contato