Por Paula Zogbi Em minhas-financas / consumo  17 mar, 2017 17h19 - Atualizada em 18h32

Operação Carne Fraca: substância encontrada em carnes pode causar problemas de saúde

Em grandes quantidades, o ácido ascórbico pode acarretar cálculo renal e até câncer  

Por Paula Zogbi Em minhas-financas / consumo  17 mar, 2017 18h32

SÃO PAULO – A substância usada ilegalmente por frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca em suas carnes para minimizar mau cheiro pode favorecer pedras nos rins quando em excesso, de acordo com especialistas. O delegado responsável pela operação citou ainda risco de Câncer, que alguns médicos associam justamente a essa sobrecarga renal.

A Polícia Federal divulgou que o ácido ascórbico, conhecido popularmente como vitamina C, era usado em doses altas em frigoríficos visitados pela Operação Carne Fraca.

Segundo o responsável pela operação, muitos dos alimentos apresentavam uma ‘péssima coloração e cheiro forte’, e para esconder, eram utilizados produtos proibidos por lei. “Eles usavam ácidos e outros produtos químicos para poder maquiar o aspecto físico do alimento. Então usavam determinados produtos cancerígenos até, para poder maquiar as características físicas do produto estragado, o cheiro", disse o delegado Maurício Moscardi.

Conforme a bula do medicamento Ácido Ascórbico, o consumo em doses altas (acima de 1 grama por dia) pode causar “distúrbios gastrintestinais, tais como, náusea, vômito e diarréia, bem como provocar hemólise em pacientes com deficiência de glicose-6-fosfato-desidrogenase. Em pacientes predispostos, o uso de altas doses de ácido ascórbico pode desencadear o aparecimento de litíase oxálica ou úrica”, ou seja, cálculo renal.

A nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Cintya Bassi, confirma que, embora o corpo humano tenha uma necessidade diária deste nutriente, que varia entre 65 e 90 mg, o excesso é realmente prejudicial.

“O excesso no consumo, que é determinado por valores superiores a 2000 mg, é eliminado pelos rins, mas pode estar associado a inchaço, incômodos na região da bexiga, porque acidifica a urina, e distúrbios gastrointestinais, como diarreias, náuseas ou ainda dores de cabeça e cálculo renal”, explicou a especialista ao InfoMoney.

O artigo acadêmico Antioxidantes Dietéticos: Controvérsias e Perspectivas, publicado por alunas do Departamento de Bioquímica do Instituto de Química da Universidade de São Paulo em 2007, também diz que “células tumorais parecem necessitar de ácido ascórbico e competem com células saudáveis por este nutriente, presumivelmente para se defenderem da ameaça oxidativa, uma vez que tumores tratados com vitamina C se tornam mais resistentes à injúria oxidativa”.

Essa informação ainda é controversa, todavia. A nutricionista Cintya diz que a afirmação de que a vitamina pode causar Câncer "não tem comprovação científica" direta. 

A operação Carne Fraca foi deflagrada para investigar a atuação das Superintendências Regionais do Ministério da Pesca e Agricultura do Estado do Paraná, Minas Gerais e Goiás na proteção de grupos empresariais.

Em alguns endereços investigados, como o frigorífico Peccin, a operação da PF denunciou "armazenamento em temperatura absolutamente inadequadas, aproveitamento de partes do corpo de animais proibidas pela legislação, utilização de produtos químicos cancerígenos, produção de derivados com o uso de carnes contaminadas por bactérias e, até, putrefatas”.

A operação cumpre 309 mandatos judiciais em São Paulo, Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás. Profissionais ligados à BRF e à Seara também estão entre os investigados, além da JBS.

Em comunicado, a empresa de alimentos BRF afirmou que cumpre normas e regulamentos sobre produção e venda de seus produtos e garantiu em comunicado à imprensa que "não há nenhum risco" para seus consumidores, seja no Brasil, ou nos 150 países em que atua. Já a JBS confirmou que a operação incluiu três unidades produtivas da companhia, mas afirmou que adota no Brasil e no mundo rigorosos padrões de qualidade.

Frigorífico
(SibFilm)

Contato