Em mercados / politica

Dólar a R$ 4,00 e contra privatizações: as ideias do mentor econômico de Ciro Gomes

Nelson Marconi deu entrevistas em que se definiu um "desenvolvimentista sem medo de ser feliz" e deu declarações de que mercado e estado são complementares

Nelson Marconi
(Reprodução/YouTube)

SÃO PAULO - Em entrevista aos jornais Folha de S. Paulo e Valor Econômico publicadas entre o último domingo e esta segunda-feira, o conselheiro de Ciro Gomes, um dos candidatos do campo da esquerda mais bem posicionados nas pesquisas em cenários sem participação de Lula, deu algumas indicações sobre como seria a condução da economia caso o presidenciável pelo PDT fosse eleito. 

O conselheiro é o economista Nelson Marconi, professor da FGV (Fundação Getulio Vargas) e faz parte da AKB (Associação Keynesiana Brasileira) e integra o grupo dos pesquisadores do Centro de Estudos do Novo Desenvolvimentismo, também da FGV. Classificando-se como um "desenvolvimentista sem medo de ser feliz", Marconi deixou claro o "risco-Ciro" para os mercados, ao se mostrar contra as privatizações "em setores estratégicos" (citando energia, caso da Eletrobras), ser a favor da participação ativa do estado na economia e defendendo um câmbio artificialmente desvalorizado. 

O economista afirmou que o dólar entre R$ 3,80 e R$ 4,00 estaria no patamar necessário para favorecer indústria e crescimento, tendo uma margem de lucro semelhante a do exterior. Ele ainda defendeu que o Brasil adote uma política desenvolvimentista, mas a diferencia da que foi implantada pela ex-presidente Dilma Rousseff. Adotando um discurso próximo da centro-esquerda, diz que "é preciso respeitar a eficiência do mercado", mas destaca a necessidade de uma reforma tributária "que acelere a distribuição de renda", disse ele ao Valor.

Quer investir em ações e pagar só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear.

Já para a Folha de S. Paulo, ele afirmou que  mercado e estado são complementares e que existem setores estratégicos – energia elétrica, petróleo – que não podem ser privatizados, mostrando especial contrariedade com a privatização da Eletrobras (ELET6). No que se refere a concessões, Marconi diz que é ótimo privatizar estradas e aeroportos.

Marconi ainda afirmou que avaliaria a mudança nas regras de exploração do pré-sal. Até 2016, a Petrobras era obrigada a ser a operadora única do pré-sal, cujas camadas estão localizadas entre 5 mil e 7 mil metros abaixo do nível do mar. A regra foi alterada em novembro pelo Congresso e, a partir de então, a estatal garantiu autonomia para decidir quando participar ou não de um leilão.

"Esse setor [de petróleo] gera muita pesquisa e inovação para o resto da economia. A gente entende que o país tem uma reserva importante, o pré-sal. Não faz sentido vender petróleo por um preço muito menor do que a receita que ele vai gerar no futuro, como vimos acontecer recentemente. Acho complicado um modelo que leve a esse tipo de abertura", disse ele. Ao afirmar se mudariam de regra novamente, Marconi afirmou que isso não estava fechado, mas iriam avaliar. 

Contato