Em mercados / politica

Temer pode ser "apunhalado pelas costas" por seus aliados na votação da Câmara, revela jornal

Fechamento de questão por parte dos partidos pró-governo não garante 100% de adesão dos parlamentares

SÃO PAULO - Apesar do fechamento de questão acordado pelos partidos da base aliada, Michel Temer pode ser "apunhalado pelas costas" na votação da Câmara contra a denúncia de corrupção apresentada por Rodrigo Janot, marcada para 2 de agosto. Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, os líderes da "tropa de choque" do presidente não garantem 100% de adesão à causa.

Conforme aponta a reportagem, 5 dos 47 deputados do PP (Partido Progressista) já se manifestaram contra a decisão do partido em apoiar o presidente, enquanto do lado do PSD (Partido Social Democrático) 7 dos 37 deputados avisaram que vão votar a favor da denúncia. Por fim, a lista maior dos "infiéis" do governo está no PRB (Partido Republicano Brasileiro) - dos 23 que fazem parte da bancada, apenas 14 estão com Temer.

Com isso, a base aliada calcula 204 votos a favor da denúncia, 140 contra e 169 indecisos. Justamente essa última fatia do bolo que será a mais disputada durante o recesso parlamentar, que começa na próxima terça-feira (18). O governo promete trabalhar bastante para trazer os indecisos para o seu lado, enquanto a oposição espera pela delação de Eduardo Cunha e a nova denúncia de Janot para convencer que Temer deve ser cassado. Vale lembrar que são necessários os votos de dois terços dos deputados (342 dos 513) para aprovar o encaminhamento do processo contra o presidente ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Michel Temer
(Lula Marques/AGPT/FotosPúblicas)

Contato