Em mercados / politica

Sérgio Moro, Luciano Huck e Joaquim Barbosa são nomes mais "bem avaliados", mostra pesquisa

Pesquisa citou alguns nomes e perguntou: "aprova ou desaprova a maneira como atuam no país?"

Sérgio Moro
(Lula Marques/Agência PT)

SÃO PAULO - Além da pesquisa de popularidade do governo Michel Temer (que mostrou que apenas 2% dos brasileiros aprovam a atual gestão), a Ipsos ainda analisou a situação de 32 personalidades públicas e políticos e divulgou o ranking “Barômetro Político”.

Mais uma vez, as notícias são péssimas para Temer. Ele é o nome mais mal avaliado (93%), seguido por Eduardo Cunha (92%), Aécio Neves (91%) e Renan Calheiros (84%).

A Ipsos ressalta ainda que, se comparado com os números da avaliação dos últimos três ex-presidentes do país, a antecessora Dilma Rousseff (PT) totaliza 82% de rejeição versus 14% de aprovação. Fernando Henrique Cardoso soma 74% de desaprovação contra 12% de aprovação. Já Lula possui 68% de reprovação e 28% de aprovação.

 A pesquisa ressalta que, ao considerar os políticos que já disputaram o segundo turno em um pleito presidencial, Aécio Neves é o tucano com maior taxa de rejeição com 91%, com alta de 14 pontos percentuais sobre a edição anterior, sendo seguido por José Serra, com 79% - aumento de nove pontos em relação a maio. Geraldo Alckmin tem 71%, o que representa sete pontos a mais comparado ao último mês. 

Marina Silva, da Rede Sustentabilidade, que vinha numa constante queda do índice de rejeição, em junho, apresenta taxa de desaprovação de 62%. Por outro lado, o juiz Sérgio Moro, o apresentador Luciano Huck e o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa são os nomes melhores avaliados com 63%, 44% e 42% de aceitação, respectivamente.

Confira o quadro com todas as avaliações abaixo:


Outras personalidades que foram avaliadas quanto ao índice de desaprovação e aprovação são: Rodrigo Maia (64% e 3%, respectivamente); Romero Jucá (64% e 1%, respectivamente); Romário (59% e 14%, respectivamente); Gilmar Mendes (58% e 4%, respectivamente); Henrique Meirelles (57% e 4%, respectivamente); Marcelo Crivella (56% e 9%, respectivamente); Ciro Gomes (55% e 12%, respectivamente); Jair Bolsonaro (54% e 15%, respectivamente); Paulo Skaf (52% e 5%, respectivamente), João Doria (52% e 16%, respectivamente); Roberto Justus (51% e 19%, respectivamente); Rodrigo Janot (49% e 22%, respectivamente); Tasso Jereissati (48% e 5%, respectivamente); Luciana Genro (47% e 3%, respectivamente); Nelson Jobin (46% e 3%, respectivamente); Ayres Brito (44% e 2%, respectivamente); Deltan Dallagnol (42% e 13%, respectivamente) e Cármen Lúcia (39% e 29% respectivamente).

Contato