Por Lara Rizério Em mercados / politica  20 abr, 2017 14h11

Ao Washington Post, Dilma diz ser "muito possível" eleição de Trump brasileiro, como Doria ou Bolsonaro

A ex-presidente apontou João Doria e Jair Bolsonaro como os "outsiders" brasileiros

Por Lara Rizério Em mercados / politica  20 abr, 2017 14h11

SÃO PAULO - A ex-presidente Dilma Rousseff foi entrevistada pelo jornal americano "Washington Post". A reportagem, chamada "Brazil's ex-president fears the rise of a Brazilian Trump" (ou Dilma teme a ascensão de um Trump brasileiro) aponta a percepção da petista sobre as próximas eleições. 

Dilma disse ser "muito possível" que o Brasil eleja um "outsider" equivalente ao presidente dos EUA Donald Trump.  "Há alguns anos, diria que é impossível. Agora, acho que é muito possível. Na verdade, posso apontar algumas figuras que se parecem com ele", afirmou.

A petista mencionou então o prefeito paulistano João Doria (PSDB), que é descrito pelo jornal como um "empresário rico que já apresentou a versão de 'O Aprendiz' no país". Além de Doria, ela também cita Jair Bolsonaro (PSC), um político de "extrema-direita" na avaliação do jornal, apontando ainda que ele "saudou Trump publicamente e atualmente é um dos líderes para 2018 nas pesquisas de opinião".

O Brasil, de acordo com Dilma, está sob a influência de uma "tendência de direita" semelhante à da Europa e dos Estados Unidos, onde crises econômicas e a crescente desigualdade alimentaram a raiva pelos políticos e estimularam a ascensão de populistas demagógicos.

"Quando um governo se torna irrelevante, a política se torna irrelevante. Abre espaço para salvadores da pátria, para políticos que usam os símbolos e o marketing político e têm estratégias baseada na pós-verdade", afirma ela. 

Desta forma, Dilma afirmou não se surpreender com a ascensão de figuras como Bolsonaro e apontou que o apoio a ele ocorre em meio a um sentimento de raiva contra o status político, visto como perigoso por ela. 

A petista ainda afirmou que a sua própria gestão foi vítima tanto da precipitação tumultuada da crise financeira global, quanto do cinismo de seus opositores políticos, com o jornal dando destaque para Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados do Brasil, que iniciou o processo de impeachment da petista em dezembro de 2015.  

Dilma Rousseff
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Contato