Em mercados / politica

MBL "adota" proposta da Fipe e entra no debate da reforma da Previdência criticando projeto do governo

Movimento Brasil Livre protocolou uma emenda aditiva ao projeto da Reforma da Previdência e conseguiu as assinaturas necessárias para ser analisada na comissão que trata do tema na Câmara dos Deputados

SÃO PAULO - O MBL (Movimento Brasil Livre), um dos principais organizadores das manifestações pro-impeachment em 2016, entrou agora no debate sobre uma das propostas econômicas mais importantes do governo, a reforma da Previdência. O grupo "adotou" as propostas sugeridas pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisa Econômicas), que defende, entre outros pontos, a criação de um novo regime de aposentadoria para aqueles que nasceram a partir do ano 2000 e o pagamento de uma renda mínima a todos os idosos do país. 

Em um vídeo publicado nas redes sociais, Kim Kataguiri, um dos líderes do grupo, explica a necessidade de mudar as regras para a concessão de benefícios e afirma que a proposta do governo Temer não resolve de vez a questão do rombo da Previdência e é "só um paliativo". "Por isso o MBL defende a reforma desenvolvida pela Fipe, que acaba com a desigualdade institucionalizada pelo governo, garante a aposentadoria dos idosos e gera emprego para os mais jovens", afirma Kataguiri.

Entre outros pontos, a proposta prevê a criação de uma renda mínima a ser paga para todos os brasileiros com mais de 65 anos e mudanças estruturais que misturam o atual sistema de repartição com um regime de capitalização, que seria financiado por um fundo criado a partir de uma fusão do FGTS com o PIS.

De acordo com o MBL, a proposta foi apresentada por meio de uma emenda aditiva e, em dois dias, obteve assinaturas de 189 parlamentares, 27 a mais que o mínimo necessário para ser analisada na comissão que analisa o tema na Câmara dos Deputados. A emenda foi protocolada na última sexta-feira (10). 

MBL

Contato