Por Lara Rizério Em mercados / politica  12 jan, 2017 07h50

Guerra interna no PT é deflagrada em meio a apoio a candidaturas governistas na Câmara e Senado

Com a anuência de Lula, as principais lideranças do partido defendem a composição com candidatos de legendas da base do governo Michel Temer - mas outros da legenda são contra

Por Lara Rizério Em mercados / politica  12 jan, 2017 07h50

SÃO PAULO - Conforme informa o jornal Folha de S. Paulo desta quinta-feira, a crise interna enfrentada pelo PT está se aprofundando em meio à disputa por cargos com a nova eleição na Câmara e no Senado. 

Com a anuência de Lula, as principais lideranças do partido defendem a composição com candidatos de legendas da base do governo Michel Temer, como Rodrigo Maia (DEM) ou Jovair Arantes (PTB) na Câmara e Eunício Oliveira (PMDB) no Senado. Carlos Zarattini (SP), líder do PT na Câmara, por exemplo, abriu diálogo com os governistas sob o argumento de que a prioridade é que o PT tenha hoje um espaço na mesa compatível com o tamanho de sua bancada.

O PT, a segunda maior bancada da Casa, reivindica a segunda Secretaria da Câmara, que é responsável pelos serviços administrativos e encaminhamento de requerimentos de informação a ministros. Conseguir esse cargo não será possível caso a legenda apoie a candidatura de oposição, como a colocada pelo pedetista André Figueiredo (CE).

Contudo, essa atuação é questionada por outras lideranças. No caso do Senado, em desacordo com o líder da bancada Humberto Costa (PE), Lindbergh Farias (RJ) critica o apoio à candidatura de Eunício à presidência. "É fazer aliança com golpista, que foi relator da PEC 55 [teto de gastos], que vai comandar o processo de desmonte da Constituição e de ataque ao direito dos trabalhadores", afirmou ao jornal. Dois dos maiores defensores de Dilma Rousseff durante o processo de impeachment, Lindbergh e Gleisi Hoffmann (PR) rechaçam a costura com governistas.

Lindbergh Farias
(Geraldo Magela/Agência Senado)

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Contato