Em mercados

Greve dos caminhoneiros irá definir as eleições de 2018, diz The Economist

Greve do caminhoneiros tornou urgente a eleição de um reformista, mas também fez isso ser menos possível, diz o texto

Greve caminhoneiros
(Marcelo Pinto/APlateia)

SÃO PAULO - Se a rotina na maior cidade do Brasil parece ter voltado ao normal nesta semana, com a volta dos combustíveis aos postos e produtos nos mercados de São Paulo, a sensação é enganosa, aponta um artigo da The Economist publicado nesta quinta-feira (7). Segundo a publicação, a greve "marca um começo agourento para uma temporada política que culminará nas eleições nacionais de outubro".

A matéria afirma que a recente paralisação dos caminhoneiros mostrou que os brasileiros têm um gosto por "políticas irresponsáveis", o que impulsona, por exemplo, as perspectivas do candidato mais radical da corrida presidencial, Jair Bolsonaro. Além disso, a crise também mostra que o próximo presidente "terá dificuldade em aprovar as reformas necessárias para manter a estabilidade econômica", diz o texto.

Segundo Pablo Ortellado, professor de políticas públicas da Universidade de São Paulo, "a greve pode ser um divisor de águas para as eleições". O texto destaca ainda a falta de credibilidade que os partidos políticos estão tendo, com aumento considerável das pessoas que afirmam que os políticos não se importam com a população.

A Economist afirma que Geraldo Alckmin é o único dos principais candidatos "com entusiasmo pelo programa de reformas econômicas iniciado por Temer, que ajudou a tirar o Brasil de sua pior recessão de todos os tempos". O texto lembra que o presidente aprovou o teto de gastos e a reforma trabalhista, mas não conseguiu fazer a reforma da Previdência passar no Congresso.

"Seu desmoronamento nos preços do diesel aumentará a carga fiscal que o próximo presidente herdará", diz a publicação. "Os motoristas de caminhão tornaram mais urgente que o Brasil eleja um reformista como presidente em outubro. Eles também fizeram isso ser menos provável", conclui a revista.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Contato