Em mercados

Como privatizar os Correios? Você pode ganhar até R$ 5 mil se tiver uma boa ideia

Concurso de artigos organizado pela Rede Liberdade em parceria com Mises Brasil, ILISP e Centro de Liberdade Econômica do Mackenzie lança concurso de como privatizar a estatal

Correios  Sedex
(Fernando Frazão/Agência Brasil)

SÃO PAULO - Além das reclamações de encomendas que não chegam aumentarem muito em meio à redução de funcionários, o Correios gerou ainda mais turbulências aos consumidores nos últimos dias, após empregados da empresa estatal aderir à greve por tempo indeterminado. A paralisação, que começou na noite de domingo (11), é parcial (ou seja, parte das agências está aberta), mas é bastante abrangente e atinge tanto os setores de atendimento como o de distribuição. 

Entre as razões para a greve estão as contestações sobre plano de carreira e retirada de benefícios, além da cobrança de mensalidades e retirada de dependentes do plano de saúde.

Sobre esse último tópico, a resposta do Correios mostra a dificuldade que a companhia enfrenta: "a forma de custeio do plano de saúde dos Correios segue, agora, para julgamento pelo TST. A empresa aguarda uma decisão conclusiva por parte daquele tribunal para tomar as medidas necessárias, mas ressalta que já não consegue sustentar as condições do plano, concedidas no auge do monopólio, quando os Correios tinham capacidade financeira para arcar com esses custos". 

Quer investir melhor o seu dinheiro? Abra uma conta na XP

Em novo comunicado enviado à imprensa, os Correios afirmam que a paralisação iniciada nesta segunda-feira é parcial e ainda não tem reflexos nos serviços de atendimento dos Correios. "Até o momento todas as agências, inclusive nas regiões que aderiram ao movimento, estão abertas e todos os serviços estão disponíveis". Além disso, segundo levantamento realizado pela estatal, 87,15% do efetivo total dos Correios no Brasil está presente e trabalhando, o que corresponde a 92.212 empregados. De qualquer forma, em muitos lugares, os impactos estão sendo 

A companhia vem se mostrando um dos símbolos da ineficiência e atraso que acomete muitas outras empresas estatais, que estão ficando para trás enquanto muitas outras têm se modernizado. 

Em janeiro, o ministro das telecomunicações Gilberto Kassab afirmou que a atual gestão encontrou os Correios com uma administração desorganizada e com déficit de R$ 2 bilhões, sendo R$ 1 bilhão empenhado para o plano de desligamento voluntário do quadro de funcionários da empresa. “Impomos uma rigorosa recuperação e sua administração financeira foi melhorada. A operação negativa está em R$ 1 bilhão, mas estamos em ajustes, como a venda de imóveis e o ajuste do plano de saúde, o que nos permitirá chegar ao equilíbrio do Correios”, disse. Porém, pelo que parece, o ajuste nos planos de saúde não será simples. 

Naquela mesma data, Kassab ainda disse que o governo já não trabalhava mais com a hipótese de privatizar os Correios, como chegou a ser aventado em 2017. Porém, dada a situação da empresa, essa "solução" para a companhia pode voltar a ser aventada, apesar de ainda sofrer resistências de muitos lados.

Como privatizar os Correios?

Pensando nessa possibilidade, a Rede Liberdade, com apoio do Instituto Mises Brasil e do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica e do Instituto Liberal de São Paulo, lançou o Concurso "Como privatizar os Correios?"

Segundo a descrição que consta no site do Centro de Liberdade Econômica da universidade, "os autores deverão abordar o tema proposto focando na aplicabilidade de soluções para o setor à luz de teorias de pensadores liberais e de modelos e experiências adotadas em outros países".

Interessou pelo tema? Os artigos devem ser enviados até 27 de abril, às 13h59, na plataforma misesjournal.org.br/concurso. Você também pode ter acesso a mais informações clicando aqui. 

O primeiro lugar receberá um prêmio de R$ 5 mil, enquanto os segundo e terceiro lugares receberão R$ 3 mil e R$ 2 mil, respectivamente. O resultado será divulgado até dia 08 e maio e a premiação ocorrerá no dia 08 de maio durante a XVII Semana do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie, no campus Higienópolis. 

Contato