Em mercados

S&P declara Venezuela em default seletivo; país dá calote de US$ 262 milhões no Brasil

A agência foi a primeira a anunciar uma classificação do tipo sobre o país e explicou ter tomado a decisão após os 30 dias concedidos para realizar o pagamentos de dois títulos

SÃO PAULO - A agência de classificação de risco Standard & Poors declarou a Venezuela em "default parcial" sobre sua dívida em moeda estrangeira após o país não pagar US$ 200 milhões em bônus globais.

A agência foi a primeira a anunciar uma classificação do tipo sobre o país e explicou ter tomado a decisão após os 30 dias concedidos para realizar o pagamentos de dois títulos. "Rebaixamos duas notas para 'D' (default) e reduzimos a classificação da dívida soberana em moeda estrangeira a longo prazo a 'SD' (default parcial)", em anúncio feito poucas horas após uma reunião em Caracas entre o governo de Nicolás Maduro e credores internacionais, sem que fosse apresentado um plano concreto para renegociar sua dívida externa, de quase US$ 150 bilhões.

Além dos dois títulos que não foram pagos, a Venezuela está atrasada em outros quatro pagamentos, mas ainda tem o período de clemência de 30 dias, que calcula o total de títulos não pagos em US$ 420 milhões.

Já o Brasil vai comunicar o Clube de Paris que a Venezuela não está honrando os débitos com o país, diz o G1. O comunicado ao Clube de Paris será apresentado pelo secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Marcelo Estevão. Em setembro, a Venezuela deixou de pagar US$ 262 milhões. No início de janeiro, vence outra parcela, de US$ 270 milhões.

(Com agências internacionais)

Maduro - Venezuela
(AVN)

Contato