Em mercados

"Não Wagner Moura, não": professor rebate ator em 4 pontos e defende reforma da Previdência

Professor Carlos Eduardo Gonçalves cita alguns pontos da reforma e rebate as críticas feitas pelo ator em vídeo publicado na semana passada

SÃO PAULO - Na semana passada, um vídeo criado pelo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e pela Mídia Ninja com o ator Wagner Moura tecendo críticas à reforma da Previdência, passou a circular na internet e ganhou o noticiário. E diante disso, o professor e doutor em Economia pela USP, Carlos Eduardo Gonçalves, publicou dois vídeos em que rebate as críticas do ator.

Publicados no site "Por quê? - Economês em bom português", os vídeos explicam alguns pontos polêmicos da proposta do governo, como a idade mínima de 65 anos e o pedido de idades diferentes de aposentadoria para homem e mulher.

Gonçalves, que também tem pós-doutorado pela London School of Economics, diz que o vídeo do ator tem "algumas desinformações". Ele afirma que não há porque usar o argumento de machismo para diferençar as idades para homem e mulher e ainda explica um pouco sobre a regra de transição elaborada pelo governo.

Confira os vídeos:

Vídeo 2:

 

Contato