Leilão da linha de transmissão de Belo Monte terá até 3 candidatos, diz fonte

A paranaense Copel estaria negociando para entrar no grupo da Taesa, que ainda poderia receber a participação de investidores da Índia
Por Reuters  
a a a

BRASÍLIA - O leilão de concessão do sistema principal de transmissão para a hidrelétrica de Belo Monte, marcado para 7 de fevereiro, deve ter de dois a três grupos na disputa, um com empresas do grupo Eletrobras (ELET3; ELET6) e a chinesa State Grid e o outro com Taesa, do grupo Cemig, em parceria com a Invepar, disse à Reuters uma fonte do governo a par do assunto.

Segundo a fonte, a paranaense Copel (CPLE6) estaria negociando para entrar no grupo da Taesa (TAEE11), que ainda poderia receber a participação de investidores da Índia.

"As empresas da Índia têm experiência em corrente contínua, que será usada na linha de Belo Monte", disse a fonte.

A Taesa já havia anunciado em dezembro a parceria com a Alupar para participar do leilão. Procurada pela Reuters, a Copel confirmou que está estudando as condições para participar da disputa, mas não tem definições sobre eventuais parceiros.

Já o grupo Eletrobras, que tem um memorando de entendimentos com a State Grid para estudar o leilão da linha de Belo Monte, deve escalar suas subsidiárias Eletronorte e Furnas para se juntar aos chineses na disputa, informou a fonte do governo, mas a decisão ainda não está fechada.

Segundo a fonte, que pediu para não ser identificada, um terceiro consórcio, com empresas europeias entre as sócias, estaria sendo articulado. O vencedor do leilão vai construir e operar 2,1 mil quilômetros de linha de transmissão entre Xingu (PA) e Estreito (MG) e duas estações conversoras.

Inicialmente, os ativos serão oferecidos em um lote único. Se não houver lances, o leilão vai automaticamente criar dois lotes, um com a linha e outro com as duas estações, e licitar novamente. O investimento total é estimado em 5,1 bilhões de reais.

TRÊS IRMÃOS

Em março, deverá ocorrer outro importante leilão de concessão no setor elétrico, o da hidrelétrica de Três Irmãos, cuja concessão não foi renovada no fim de 2012 pela Cesp. A previsão era realizar o certame no dia 31 deste mês, mas não há mais tempo hábil para isso.

Nos próximos dias, o governo deve enviar ao Tribunal de Contas da União (TCU) os documentos relativos ao edital do leilão. O tribunal terá, então, 30 dias para se manifestar. Caso o TCU aprove os documentos, o governo publica o edital e, 30 dias depois, o leilão poderá ser realizado.

Assuntos relacionados: Energia Leilão

Deixe seu comentário