Em mercados / na-real

7 dicas para escolher uma Assessoria de Imprensa

As recomendações de um piloto de helicóptero, ou de chefe da segurança e de um gestor de comunicação não podem ser desprezadas.

Renato Acciarto é jornalista e profissional de Comunicação Empresarial.

 1.                    Primeiro de tudo, uma sugestão: Não escolha só uma agência que lhe ofereça apenas assessoria de imprensa. Hoje a imprensa é apenas uma parte dos formadores de opinião que podem gerar diferencial para sua empresa ou marca. É preciso mais: uma agência ou profissional que tenha ciência das ferramentas necessárias para atingir os mais variados públicos (como os influenciadores digitais) e como fazer isso. Um press releasepode não ser necessariamente a ferramenta mais adequada para influenciar um blogger a postar algo positivo sobre sua empresa/produto. A Comunicação está a cada dia mais customizada e é preciso respeitar as diferenças de abordagem.

2.                    Uma sugestão é que no briefing para a concorrência para escolher a agência de comunicação empresarial, além da liberdade para a formatação da proposta, também peça um único item comum a todos: uma avaliação mesmo que superficial da imagem atual de sua companhia e quais seriam as ações macro para melhorar/manter/reposicionar. Não se esqueça: às vezes um arroz com feijão muito bem feito é melhor que uma lagosta estragada. Não se iluda com propostas mirabolantes. Preste atenção naqueles que querem mostrar as grandes transformações que estão ocorrendo no mundo da comunicação e  quais são os desafios da sua empresa. A Comunicação está em fase de transformação. Veja quem poderá ser uma empresa realmente parceira e que lhe ajude a trilhar esse novo caminho.

3.                    A maior nem sempre é a melhor. Tudo vai depender das suas necessidades. Uma agência grande pode lhe dar mais segurança com processos de report mais estruturados, maior abrangência, maior influência em casos de crises de imagem. Mas a pequena ou média também podem lhe dar 100% de sua vontade e energia para a manutenção de você, cliente. Às vezes, ser o mais importante pode gerar mais resultados do que ser mais um.

4.                    É importante saber quais foram as empresas já atendidas. Os cases de maior sucesso. Há jornalistas que foram de redações importantes no time? Isso pode ajudar no quesito relacionamento, na facilidade das abordagens com a Imprensa.Insiders fazem a diferença.

5.                    Você quer exclusividade no atendimento? Terá que pagar. Profissionais que ficam baseados na empresa têm a possibilidade de saber mais sobre a cultura e as reais necessidades de sua companhia. De serem pró-ativos e não apenas reativos, acelerando processos de aprovação e descobrindo novas possibilidades de temas para divulgação. O olhar do jornalista-assessor pode ajudar no levantamento das boas notícias e a identificar e se preparar para as más. Já se a sua opção foi por um atendimento compartilhado, saiba que em algumas agências um profissional pode atender até oito contas. Ou mais. Diferentes clientes/setores/demandas as quais uma andorinha dificilmente fará verão. E cumprir tabela com a imagem de sua empresa é um tipo de atitude que você não pode aceitar.

6.                    Mesmo esse não sendo aparentemente seu negócio, se esforce para entender o funcionamento da comunicação e seus atores hoje em dia. A agência ou profissional de comunicação empresarial não são um mal necessário. Pelo contrário: veja-a como geradora de diferenciação frente à concorrência e fundamental para seus negócios. Sim, ela é parte de seu core business.

7.                    Converse com sua agência escolhida e defina alvos reais a serem atingidos. No mínimo, um plano de comunicação anual. Diga da maneira mais cândida onde quer chegar. Quais são suas preocupações. Expectativas não expressadas são o caminho mais curto para a decepção. Entenda o que é realmente possível, mas não se contente com pouco. Saiba que a sua agência de comunicação empresarial é apenas o caminho para o sucesso, mas a sua participação nesse processo é o combustível para isso. Você tem que investir tempo nisso, como disponibilidade para entrevistas e almoços de  relacionamento com os jornalistas de seu setor, de sua região e os principais de economia e negócios. Ajude a sua agência a lhe ajudar. Ouça seus conselhos, afinal as recomendações de um piloto de helicóptero, ou de chefe da segurança e de um gestor de comunicação não podem ser desprezadas. Ao contrariá-las você passa a correr sérios riscos.

 

 

 

Jornais
(Shutterstock)

Contato