Dilma, Mantega e Augustin divergem sobre efeitos do corte do IOF no dólar

Com declarações divergentes sobre os rumos do dólar após corte do imposto, moeda norte-americana passa por uma sessão bastante instável
Por Rodrigo Tolotti Umpieres  
a a a

SÃO PAULO - Na noite da última terça-feira (4), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou o corte do IOF (Impostos sobre Operações Financeiras) para investidores estrangeiros, anteriormente a taxa era de 6%. Em um primeiro momento, investidores viram neste movimento um sinal de que o governo quer conter a forte alta do dólar comercial nas últimas semanas.

Mesmo com a decisão indicando uma queda no curto prazo em relação às taxas de câmbio, declarações feitar pela presidente Dilma Rousseff, pelo próprio Mantega e pelo secretário do Tesouro, Arno Augustin, levam o dólar a seguir com bastante volatilidade.

Nesta manhã a moeda norte-americana abriu com forte queda, chegando a recuar 2%, mas o movimento não se firmou e a divisa tem uma sessão bastante instável. O dólar opera entre perdas e ganhos durante esta tarde, ficando em um patamar próximo de R$ 2,13.

Mantega: foco no longo prazo
Durante a manhã, Mantega foi peguntado por jornalistas em sua chegada ao ministério se o movimento de abertura já seria efeito do corte do IOF. Oministro afirmou não saber e disse que a medida é para ter efeito no longo prazo e não imediato.

Além disso, ele afirmou que a ideia do corte do IOF é deixar o mercado livre para aplicações em renda fixa como títulos do governo brasileiro. Mantega afirmou que a taxa de 6%, junto com um juros diferente de quando o aumento do IOF foi estabelecido - em outubro de 2010 - levou as aplicações em renda fixa perderem a rentabilidade. Mesmo assim, o ministro ressaltou que não há dificuldades para a venda de título para investidores estrangeiros.

Dilma: Não temos como controlar o dólar
Nesta manhã, a presidente Dilma Rousseff participou do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, mas os jornalistas aproveitaram o encontro para questionar a situação do câmbio. "Nós não temos medida nenhuma para segurar o dólar. Eu queria informar que este País adota o regime de câmbio flexível", afirmou a presidente ao ser perguntada sobre novas medidas para segurar a variação do dólar.

Mesmo Dilma afirmando que não existe medida para segurar o dólar, a equipe de analistas do Bank of America afirma que após a redução do IOF a expectativa é que ocorra queda na taxa do câmbio aqui no Brasil, já que o corte de impostos deve aumentar a oferta de dólares no País.

Augustin: medida tem impacto no curto prazo
Já o discurso do secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, seguiu mais próximo da linha defendida por Mantega. Ele afirmou que a medida reduz a volatilidade nos mercados e cria melhor condição de ingresso de recursos de não-residentes na compra dos títulos públicos.

O secretário disse que "a medida que o governo toma tem objetivo reduzir volatilidade e permitir melhor equação para a economia brasileira". Seguindo o que disse o ministro, Augistin entende que medidas como essa não são de curto prazo, mas ressaltou que elas acabam tendo algum impacto em um primeiro momento. "São medidas normais que o governo toma para ajustar os preços e tem a ver com o cenário internacional", complementou Augustin.

Por fim, ele afirmou que não há no momento novas discussões sobre outras medidas para incentivar o ingresso de divisas estrangeiras no país. "Medidas como essa são episódicas. O governo eventualmente as toma e não há outras medidas, e desconheço discussão sobre outras medidas".

Deixe seu comentário

Renato Guerra (05/06/2013 18:02:23) Esse trio está afundando o Brasil.
Antonio Benicio Siqueira (05/06/2013 18:05:11) Já AFUNDOU ...............
Romeu Monteiro de Barros (05/06/2013 18:16:29) estao totalmente perdidos nao se estende nem entre eles
Corrarello Dago (05/06/2013 18:17:29) Cada um diz uma coisa e ninguém sabe nada, antes era o tal "tsuname monetário" que até hoje não aconteceu, vão mudando o rumo conforme a música. É falta de competência mesmo. Vamos dar a resposta à eles nas urnas.
(05/06/2013 18:25:07) Então vamos alugar e vender CSNA3, GGBR4, USIM5 e ganhar com a enorme queda da bolsa!!! Eu quero é tendência na bolsa, seja de alta ou de baixa!!!
Fernando Casagrande (05/06/2013 18:30:02) Essa máquina de comer dinheiro é devastadora... e com isso nós vamos devagar rolando a divida e aumentando o buraco em que estamos nos atolando.
Klelcion Carrijo (05/06/2013 18:44:48) Que matéria ridícula e os comentários conseguem ser piores, todos querendo vender "DESGRAÇA".
(05/06/2013 20:50:56) O texto demonstra divergência de idéias e medidas entre Dilma e Guido mas a única coisa que vejo e a nossa presidenta viajando na mantega.
Marcia Arnhold (05/06/2013 21:37:08) Parece a torre de Babel, cada qual falando uma língua diferente. Se a presidente Dilma, o ministro da Fazenda e o secretário do tesouro nacional, divergem sobre o controle cambial é sinal que a vaca está indo para o brejo....
Juliana Zucoloto (05/06/2013 22:05:06) Nosso velho problema a inflação...remedio antigo e repetitivo..aumento de juros, queda de iof para entrada de dolares e aplicações na renda fixa...ou seja a divida publica paga estes especuladores....este governo que nos custa quase 50% do pib haja economia que aguente...fora as incompetencias generalizadas não conseguem terminar nenhuma linha de trem...kkkkk !!! abraços. Edson.
Denis Acioli (05/06/2013 22:07:13) Francamente: Quando temos no governo opiniões tão diversas certamente ninguem está certo. São amadores. A prova são as previsões do mágico Mantega que não entende nada. Teremos sim inflação alta, juros altos, endivamento interno que é péssimo e reduzirá a produção, e aí a roda volta a girar com os reflexos acima.
(05/06/2013 23:05:27) Vender desgraça? Nessa terra ela vem de graça, graças a incompetente gestão desse desgraçado país! A desgraça estava é sendo adiada, cozida, escondida, disfarçada... mas é aparentemente inevitável!
(05/06/2013 23:08:26) Apenas corrigindo o dito acima: "...aumentando o buraco* em que já nascemos atolados." *Brasil
Thobias Silva (06/06/2013 00:04:20) http://freemarketbrazil.blogspot.com.br/2013/02/inflacao-aleija-cambio-mata.html
Marcia Arnhold (06/06/2013 07:12:48) Infelizmente temos um País onde pessoas inescrupulosas, brincam de governar e o povo paga a conta pelas suas incompetências...
Helio Biasoli (06/06/2013 08:19:12) Baixar o IOF de uma vez só é sinal de preocupação com a alta do dólar. Criam condições para entrada de mais US$, mas será que o momento atual do Brasil e do mundo vingará?