Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa sobe após cair por 2 dias seguidos, de olho nos EUA e "trégua" na política

O índice encerrou a sessão com alta de 0,5%, a 76.591 pontos, com apenas 12 das 59 ações que compõem sua carteira teórica no negativo 

SÃO PAULO - Em pregão volátil por conta do vencimento de opções sobre índice, o Ibovespa teve sua 1ª alta em 3 pregões nesta quarta-feira (18) acompanhando as bolsas americanas e em meio à "trégua" na política. O índice fechou a sessão com ganhos de 0,51%, a 76.591 pontos, depois de ter subido 0,66% (a 76.716 pontos) na máxima e recuado 0,25% (a 76.012 pontos) na mínima do dia. O volume financeiro movimentado na B3 foi de R$ 9,4 bilhões, contra média diária de R$ 9,5 bilhões dos últimos 21 pregões. 

O movimento seguiu as bolsas americanas, com os principais índices acionários do país encerrando a sessão no positivo: S&P 500 (+0,07%, 2.561 pontos); Dow Jones (+0,69%, 23.156 pontos); e Nasdaq (+0,01%, 6.624 pontos). 

Entre as ações que contribuíram para limitar a alta do Ibovespa hoje, destaque para a Vale, que chegou a subir mais de 1% mas virou para queda em meio à expectativa pela assembleia especial sobre conversão de ações VALE5 por VALE3 marcada para hoje às 17h00. Esse é mais um passo para a "transformação da companhia". Em fevereiro, a maior produtora de minério de ferro do mundo apresentou um roteiro para encerrar um acordo de 20 anos que entregava o controle da empresa a um grupo de acionistas públicos e privados.

Veja mais em:  Vale chega ao dia "D" precisando do apoio de detentores de 40 milhões de ações

A Vale já convenceu quase os detentores de cerca de 85% das ações preferenciais a concordarem com uma nova estrutura acionária que remove o poder do grupo de controle -- e o risco de intromissão do governo. Ainda há resistentes, mas a mineradora tem um plano B para conseguir entrar no Novo Mercado. 

IBC-Br não preocupa
Logo pela manhã, foi divulgado pelo Banco Central o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), que ficou abaixo do esperado. O índice, que é considerado uma prévia do PIB (Produto Interno Bruto) oficial, registrou desaceleração de 0,38% na passagem de julho para agosto, enquanto o mercado esperava queda de 0,25% no período. Em relação ao mesmo período do ano passado, foi registrado avanço de 1,64%, ao passo que as projeções dos economistas apontavam para +1,97%.

Apesar do recuo, os economistas do Bradesco afirmaram que isso não altera o cenário de retomada da atividade, já que o resultado é compatível com o observado na indústria, no comércio e nos serviços em agosto, segundo a Rosenberg Associados. Assim, os juros futuros com vencimento em janeiro de 2019 e 2021 sobem 4 pontos-base, negociados a 7,27% e 8,95%, o que ajuda a pressionar o índice.

Dança das cadeiras no Fed
Nesta semana, os mercados acompanham de perto o processo de sucessão do Federal Reserve, quem ficará na presidência do BC dos EUA a partir de fevereiro do ano que vem, quando termina o mandato de Janet Yellen. De acordo com fontes próximas ao processo, o nome do economista John Taylor, que tem um viés "hawkish" (ou mais duro, com tendências altistas para a taxa de juros), ganhou força após ter causado uma boa impressão em encontro com Donald Trump. Na disputa também estão Jeremy Powell e Kevin Warsh.

Segundo o diretor da Wagner Investimentos, José Faria Júnior, a sucessão de Yellen eleva as dúvidas do mercado, impulsionando mais uma vez o dólar. Na sua visão, a entrada de Powell, como a manutenção da chairwoman, favorece a ala que defende a manutenção do estímulos econômicos, enquanto Taylor e Warsh deverão alterar o ritmo de alta de juros, de mais gradual para mais forte.

Com a expectativa de uma política monetária mais apertada nos EUA, como reforçou Yellen no último domingo (15) ao dizer que a inflação dos EUA deve se acelerar e o Fed pode seguir elevando a taxa de juro gradualmente, o dólar futuro com vencimento em novembro registrava valorização de 0,62%, aos 3.184 pontos, também pressionando o índice.

"Trégua" na política
Na noite de ontem, o plenário do Senado decidiu reverter a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) e, com isso, pôs fim ao afastamento parlamentar do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que havia sido imposto pelos ministros da Corte no último dia 26. Com os votos de 44 senadores contra a manutenção das medidas cautelares e de 26 favoráveis, os parlamentares impediram o afastamento de Aécio, o seu recolhimento domiciliar noturno e reverteram a obrigação de entregar o passaporte.

O presidente Michel Temer atuou para a derrubada da decisão do Supremo, mas o tucano deve enfrentar mais desgastes em sua volta ao Senado, deverá enfrentar nova representação contra ele no Conselho de Ética do Senado por quebra de decoro. Segundo O Globo, a avaliação do Planalto é de que a vitória de Aécio pode dar força a Temer na votação da Câmara.

Depois do atrito gerado na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou a urgência para Projeto de Lei sobre leniência de bancos, reafirmando sinais de trégua política entre Maia e Temer após a não votação anterior. Ainda sobre a paz entre os dois, o jornal O Estado de S. Paulo informa que o governo avalia mudar o comando do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), atualmente presidido por Paulo Rabello de Castro, como uma forma de tentar agradar Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia já havia indicado Luciano Snel, da Icatu Seguros, para o cargo, diz jornal.

Destaques do mercado
Na ponta negativa, apenas 12 das 59 ações do Ibovespa fecharam no negativo hoje. Destaque para as ações de papel e celulose - Fibria e Suzano -, que caíram entre 2% e 4% apesar da alta do dólar frente real. Do outro lado, chamou atenção as varejistas, que mostraram fortes ganhos após estreia frustrante da Amazon no Brasil. Fora do índice, os papéis da Magazine Luiza (MGLU3) e B2W (BTOW3) dispararam depois de fortes quedas nos últimos dias (entenda esse movimento aqui).

As maiores altas, dentre as ações que compõem o índice Bovespa, foram:

 C?d. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 LREN3 LOJAS RENNERON 37,50 +4,31 +79,34 147,92M
 ECOR3 ECORODOVIAS ON 12,60 +4,22 +56,26 37,84M
 PCAR4 P.ACUCAR-CBDPN 79,90 +3,97 +45,94 88,22M
 SMLE3 SMILES ON 89,35 +3,29 +114,95 81,50M
 GGBR4 GERDAU PN 11,66 +3,00 +8,16 148,12M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o índice Bovespa, foram:

 C?d. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 FIBR3 FIBRIA ON 49,82 -4,06 +60,06 135,08M
 USIM5 USIMINAS PNA 9,66 -2,91 +135,61 266,81M
 SUZB5 SUZANO PAPELPNA 19,71 -2,28 +42,52 169,65M
 JBSS3 JBS ON 8,15 -1,45 -28,28 82,47M
 VALE3 VALE ON 32,27 -0,95 +38,77 684,80M

* - Lote de mil açõeses 
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão) IBOVESPA

Reforma da previdência
Sobre a previdência, em contrapartida à tramitação no Congresso de uma reforma da Previdência mais enxuta, a equipe econômica aceita uma reforma mais enxuta, mas quer apoio para conseguir aprovar o aumento de contribuição previdenciária dos servidores públicos federais, segundo informações do O Estado de S. Paulo. A proposta de elevação da alíquota de 11% para 14% foi anunciada há dois meses, mas enfrenta resistências do funcionalismo, que tem forte poder de pressão sobre senadores e deputados.

Por fim, O Globo aponta que o Palácio do Planalto deve editar até sexta-feira três medidas provisórias que representam um alívio fiscal de R$ 13,7 bi para o fechamento das contas de 2018 e se tornaram ainda mais essenciais depois de o governo adiar o cronograma de privatização da maioria dos aeroportos para 2019, diz O Globo sem revelar como obteve a informação.

Bolsas mundiais
No mesmo sentido, as principais bolsas europeias tiveram um dia de ganhos nesta quarta-feira, de olho na temporada de resultados do terceiro trimestre, mas ainda atentas a diversas questões. Dentre elas o próximo presidente do Federal Reserve, o prazo para independência da Catalunha, eleições no Japão e encontro do Partido Comunista Chinês, enquanto petróleo sobe antes de dados que podem mostrar queda de estoques nos EUA.

Na Ásia, como não poderia ser diferente, o destaque fica para a o evento chinês. Na abertura do XIX Congresso do partido comunista, o presidente da China, Xi Jinping, defendeu que o governo desempenhe um papel maior na economia, ao mesmo tempo em que reiterou o papel “decisivo” dos mercados.

Veja abaixo o desempenho dos principais índices mundiais:

*Dow Jones (EUA) +0,70%

*S&P 500 (EUA) +0,07%

*Nasdaq (EUA) +0,01%

*CAC-40 (França) +0,42%

*FTSE (Reino Unido) +0,36%

*DAX (Alemanha) +0,37% 

*Hang Seng (Hong Kong) +0,05% 

*Xangai (China) +0,29% 

*Nikkei (Japão) +0,13% 

*Petróleo WTI +0,31%, a US$ 52,04 o barril

*Petróleo Brent +0,57%, a US$ 58,21 o barril

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian +0,44%, a 459 iuanes

Analista
(Bloomberg)

Contato