Em mercados / acoes-e-indices

Ibovespa renova maior fechamento da história pela 3ª vez de olho em candidatura de Meirelles

Índice ganhou força nesta tarde e chegou a superar o patamar de 75 mil pontos após notícias desencontradas falarem em Meirelles como candidato em 2018

SÃO PAULO - Depois de um início de pregão de maior apreensão de olho no cenário político mais complicado, o Ibovespa passou a ganhar força na tarde desta quarta-feira (13). No exterior, ajudou o petróleo subindo mais de 2%, enquanto por aqui, chamou atenção a notícia de que o atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi convidado pelo PSD para ser candidato à presidência em 2018. Mais tarde, porém, o ministro afirmou pelo Twitter que não é pré-candidato.

O índice bateu sua máxima por volta das 15h (horário de Brasília), ao subir 0,82%, aos 75.146 pontos, logo após a notícia ser divulgada. Em seguida o benchmark se distanciou deste patamar e fechou com ganhos de 0,33%, aos 74.787 pontos, renovando pelo terceiro dia seguido seu maior fechamento da história. A máxima intraday, porém, segue sendo a da véspera, em 75.332 pontos. O volume financeiro ficou em R$ 11,401 bilhões, puxado pelo vencimento de opções sobre o índice.

O dólar comercial, por outro lado, manteve os ganhos de 0,29%, cotado a R$ 3,1381, ao passo que o dólar futuro com vencimento em outubro avançava 0,46%, sinalizando cotação de R$ 3,146. Os juros futuros com vencimento em janeiro de 2018 recuaram 1 ponto-base, a 7,62%, enquanto os contratos com vencimento em janeiro de 2021 subiram 2 pontos-base, para 9,02%. Os investidores seguem precificando a possibilidade da Selic encerrar o ano em 7%.

Após um forte entusiasmo, o mercado passou a ponderar mais a informação sobre Meirelles, principalmente após o ministro postar no Twitter que ainda não é pré-candidato, mesmo ele passando a ser tratado como tal. Segundo o portal Poder360, citando um dos presentes em almoço oferecido pelo ministro a deputados, Meirelles "deixará o nome fluir com naturalidade" e vai "viajar na medida do possível".

Conforme noticia a Bloomberg, o líder do partido na Câmara, deputado Marcos Montes (MG), disse que o economista recebeu com entusiamo a proposta. "Colocamos a Meirelles que ele é um nome que preenche requisitos", disse a jornalistas. "O nome de Meirelles cai como uma luva". O ministro, porém, segundo o parlamentar, não respondeu imediatamente.

Segundo Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, o movimento faz sentido, já que Meirelles seria o "candidato natural do mercado financeiro". Outros analistas consultados pelo InfoMoney afirmam que esta foi a única novidade da tarde que explicaria a arrancada do Ibovespa.

Ainda no noticiário, os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) rejeitaram, por unanimidade, o pedido de suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em investigações relacionadas ao presidente Michel Temer, iniciadas a partir das delações da JBS. Foram 9 votos a zero contra o pedido da defesa do peemedebista. Segundo a Fachin, declarações do procurador à imprensa não podem ser consideradas como causa de suspeição.

Outro destaque, segundo informações do jornal Valor Econômico, o procurador-geral da República deverá apresentar ainda hoje a segunda denúncia contra Temer pelos crimes de obstrução de Justiça e por organização criminosa tendo como base o inquérito que foi concluído na última segunda-feira (11) pela Polícia Federal, qual aponta que Temer recebeu R$ 31,5 milhões em propina.

Vale lembrar que, na última terça-feira, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Roberto Barroso, autorizou a abertura de inquérito para investigar Temer por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro na edição de um decreto no setor de portos, o que ligou o sinal de alerta dos investidores.

Destaques do mercado
As ações da Localiza recuam após o HSBC rebaixar a recomendação para os ativos de compra para manutenção. Fora do índice, o destaque negativo fica por conta dos papéis da Ser Educacional (SEER3), que recuam cerca de 6% após o conselho de adminstração aprovou um aumento do capital social de no mínimo R$ 237 milhões e R$ 400 milhões (veja mais aqui).

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 KROT3 KROTON ON 19,00 +3,20 +45,56 226,09M
 NATU3 NATURA ON 33,49 +3,05 +46,22 78,37M
 BRML3 BR MALLS PARON 14,42 +2,41 +39,56 71,60M
 JBSS3 JBS ON 8,27 +2,35 -27,22 94,55M
 BRFS3 BRF SA ON 45,33 +1,98 -6,05 154,67M

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 RENT3 LOCALIZA ON 61,65 -3,25 +90,79 102,86M
 ELET6 ELETROBRAS PNB 24,16 -2,15 -0,88 35,66M
 ELET3 ELETROBRAS ON 21,02 -2,10 -0,46 60,86M
 CMIG4 CEMIG PN 8,85 -1,99 +17,92 64,19M
 CSNA3 SID NACIONALON 10,42 -1,98 -3,96 92,92M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram:

 Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg 
 VALE3 VALE ON 34,77 -1,39 716,85M 657,56M 38.509 
 PETR4 PETROBRAS PN 15,03 +1,08 551,14M 572,23M 36.309 
 BVMF3 BMFBOVESPA ON 22,90 0,00 441,15M 165,34M 14.182 
 ITUB4 ITAUUNIBANCOPN ED 42,93 +0,70 310,63M 349,31M 20.007 
 BBDC4 BRADESCO PN EJ 35,41 +0,43 304,41M 310,64M 24.609 
 BBAS3 BRASIL ON EJ 33,59 +0,63 241,05M 246,46M 19.229 
 ABEV3 AMBEV S/A ON 21,18 +0,81 232,86M 245,00M 22.153 
 KROT3 KROTON ON 19,00 +3,20 226,09M 167,18M 26.408 
 BBSE3 BBSEGURIDADEON 28,69 -0,73 187,21M 123,12M 12.810 
 CIEL3 CIELO ON 23,30 +0,43 186,21M 132,88M 18.273 

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)
IBOVESPA

Prisão de Wesley Batista
A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta quarta-feira (13), em São Paulo, pedido de prisão preventiva de Wesley Batista, sócio da JBS e irmão do empresário Joesley, preso no fim de semana. A movimentação ocorre pela operação Acerto de Contas, segunda fase da Tendão de Aquiles. Os mandados foram expedidos pela 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

Os executivos são investigados em inquérito sobre manipulação do mercado financeiro, referente ao suposto lucro obtido no mercado de câmbio antes da divulgação da delação premiada de executivos da J&F -- dia conhecido como "Friboigate", que marcou a revelação de áudio de conversa mantida pelo presidente Michel Temer com Joesley. A investigação também apura a realização de ordens de venda de ações da JBS por sua controladora, entre 24 de abril e 17 de maio.

Segundo a Polícia Federal, "há provas que os irmãos agiram pessoalmente para manipular ações do grupo no mercado". A suposta manipulação do mercado teria acarretado grandes prejuízos aos acionistas da companhia.

Inflação nos EUA
Na agenda doméstica, o mercado acompanha a divulgação, às 12h30 (horário de Brasília), dos dados do fluxo cambial semanal. Nos EUA, o índice de preços ao produtor apontou inflação de 0,2% na passagem de julho para agosto, enquanto os analistas esperavam avanço de 0,3% na comparação mensal, fato que eleva a probabilidade do Federal Reserve seguir com sua política monetária expansionista e elevar os juros somente em meados do ano que vem.

Radar político
Ao mesmo tempo em que o mundo político ainda digere a autorização de abertura de um novo inquérito contra o presidente Michel Temer, parlamentares tentam avançar na votação dos termos da reforma política. Uma das manobras tentada é a aprovação de um novo fundo público de financiamento de campanha em uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) alheia às duas que já estão sendo discutidas hoje em plenário.

Ontem, o plenário da Câmara aprovou a Medida Provisória 780/17, que cria o Programa de Regularização de Débitos não Tributários (PRD) para parcelar dívidas de pessoas físicas e empresas com autarquias, fundações públicas federais e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. De acordo com o relatório do senador Wilder Morais (PP-GO), foi reduzida a entrada para quem optar pela renegociação em duas parcelas (será de 40% em vez de 50% do débito consolidado). A segunda prestação terá redução de 90% dos juros, da multa de mora e das multas aplicadas pela ausência de recolhimento de receitas públicas.

Além disso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está sendo interrogado pelo juiz Sérgio Moro nesta quarta-feira, em audiência que começou às 14h na sede da Justiça Federal, em Curitiba, na ação penal em que é acusado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro supostamente recebido pela Odebrecht. Além dele, Moro também deve ouvir Branislav Kontic, ex-assessor de Antônio Palocci.

Contato