Em mercados / acoes-e-indices

Corte de rating de Cemig e Oi, OSX, Eletrobras e mais 3 notícias agitam a noite

Confira destaques do mercado após o fechamento do pregão nesta quarta-feira

Ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Depois do dia negativo na Bolsa, o mercado pós pregão na Bovespa segue movimentado. Entre os destaques da noite ficam os cortes de rating da Cemig e da Oi pela Fitch, OSX, Eletrobras e outros. Veja os destaques do after market:

Cemig
A agência de classificação de risco Fitch cortou a nota de crédito nacional da Cemig (CMIG4) de “AA” para “AA-”, graças à perspectiva de queda na geração de caixa e maior alavancagem após o vencimento das principais concessões de geração da companhia. A perspectiva do rating é negativa, o que indica que novos rebaixamentos podem ocorrer no médio prazo.

A companhia mineira "brigava" na Justiça para continuar com as concessões de suas três principais hidrelétricas, Jaguara, São Simão e Miranda, que tem um total de 2,5 mil MW, mas teve uma liminar que garantia a manutenção dos empreendimentos derrubada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) na semana passada.

Oi
A Fitch Ratings rebaixou o rating da Oi (OIBR4) para 'BB', de 'BB+' e o rating nacional de longo prazo da companhia e de suas emissões de debêntures para 'AA-(bra)' de 'AA(bra)'. A perspectiva é negativa. O rebaixamento reflete, principalmente, o ambiente operacional negativo no Brasil e a fraca posição de mercado da Oi, assim como a contínua geração negativa de fluxo de caixa livre da companhia, que, segundo as expectativas da Fitch, não será controlada a curto e médio prazos.

"O perfil financeiro da empresa continuou deteriorando-se e já não é considerado forte dentro da categoria de rating 'BB'. Além disso, a baixa probabilidade de uma potencial consolidação da indústria no Brasil é negativa para a Oi. Sem isso, a Fitch não prevê melhoria substancial nos fundamentos operacionais da Oi a médio prazo.", afirmou o relatório da agência.

Energias do Brasil
A Energias do Brasil (ENBR3), holding que possui investimentos no setor de energia, informou hoje que assinou contrato de venda da Pantanal Energética para a Cachoeira Escura Energética por R$ 390 milhões. A Pantanal tem capacidade instalada de 51,1 megawatts e duas Centrais Hidrelétricas no Mato Grosso do Sul, a UHE Assis Chateubriand (Mimoso) e a PCH Paraiso I, com capacidade instalada de 29,5 MW e 21,6MW, respectivamente, disse a empresa.

A companhia também divulgou hoje release ao mercado com as informações referentes ao mercado de energia elétrica do segundo trimestre de 2015 e no acumulado do primeiro semestre de 2015 dos segmentos de atuação da companhia e de suas controladas.

O consumo por cliente residencial apresentou queda de 4,1% e 4,4% na EDP Bandeirante e na EDP Escelsa, respectivamente, refletindo os efeitos econômicos, afirmou o relatório.

Triunfo
Segundo prévia divulgada hoje, o volume de veículos equivalentes nas rodovias de concessão da Triunfo (TPIS3) atingiu 53,4 milhões no acumulado de 2015 até o mês de junho, numa queda de 6,9% em relação ao mesmo período de 2014. As concessionárias Concer, Triunfo Concepa, Triunfo Econorte e Triunfo Transbrasiliana registram quedas no tráfego de veículos de 16,0%, 1,5%, 4,7% e 5,2%, respectivamente.

“Todas as concessões foram impactadas negativamente pelo arrefecimento econômico, pela Lei dos Caminhoneiros (Lei 13.103/2015), que entrou em vigor em 17 de abril de 2015, com a isenção da cobrança de pedágio sobre os eixos suspensos de caminhões que circulam vazios, e pela greve dos caminhoneiros, que paralisaram as rodovias do país em fevereiro de 2015”, disse a companhia.

No segmento de geração de energia, o total de energia vendida foi de 752.958 megawatts-hora (MWh) no ano. A garantia física vendida pela Rio Verde totalizou 48.816 MWh e a da Rio Canoas totalizou 41.445 MWh, sendo 70% disso para o ambiente de contratação regulado e 30% para o mercado livre.

Eletrobras
A Eletrobras (ELET3;ELET6) divulgou comunicado ao mercado em geral e acionistas, afirmando que a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) homologou um valor de R$ 1,007 bilhão correspondente à parcela dos ativos de transmissão de energia elétrica existentes em 31 de maio de 2000 ainda não amortizados. A homologação ocorreu  para fins de indenização das instalações da denominada Rede Básica Sistema Existente – RBSE e demais instalações de transmissão.

OSX Brasil
A OSX (OSXB3) afirmou hoje que o Nordic Trustee ASA, agente fiduciário dos detentores de bonds emitidos pela companhia, votou contra o deferimento definitivo do procedimento suspensão dos pagamentos da subsidiária indireta da empresa em audiência realizada hoje.

A companhia ressaltou que a decisão pode ser recorrível e que o voto do agente foi baseado em direito de crédito questionado por outros credores relevantes durante a audiência e ainda esclareceu que a decisão não afetará a recuperação das empresas do grupo OSX no Brasil, que vão continuar desenvolvendo suas atividades visando ao cumprimento do Plano de Recuperação Judicial.

Cyrela
A Cyrela (CYRE3) comunicou hoje a prévia de seus resultados operacionais do segundo trimestre 2015 e do primeiro semestre de 2015, em comparação aos mesmos períodos de 2014. 

O volume de lançamentos chegou a R$ 1.066 milhões no segundo trimestre deste ano, um aumento de 20% ao realizado no mesmo período do ano passado (R$ 890 milhões). As vendas líquidas contratadas no trimestre somaram R$ 814 milhões, queda de 35% em relação ao segundo trimestre de 2014 (R$ 1.258 milhões). 

(Com Reuters)

Contato