Em mercados / acoes-e-indices

Data do resultado da Vale, empréstimo da BRF, Petrobras e mais 3 notícias agitam a noite

Entre os destaques, presidente da Magazine Luiza fala sobre as projeções do mercado e Profarma fala sobre investigações de corrupção

Vale_valemax_navio
(Agência Vale)

SÃO PAULO - Após sessão estável para a Bolsa nesta terça-feira (7), o "after hours" no mercado brasileiro se mantém agitado, com o início das divulgações das primeiras datas de resultados referentes ao primeiro trimestre de 2015, com a Vale anunciando quando irá apresentar seu balanço. Além disso, Petrobras, BRF e mais empresas também agitaram a noite, confira:

Petrobras
As obras do gasoduto Rota 2, que vai levar o gás natural produzido no pré-sal da Bacia de Santos para o Terminal de Cabiúnas (Tecab), no Norte Fluminense, devem ser concluídas até o fim deste ano e a operação terá início em 2016, afirmou o diretor de Gás e Energia da Petrobras (PETR3PETR4), Hugo Repsold. A declaração foi feita nesta terça-feira durante depoimento à CPI da Petrobras, na Câmara dos Deputados. 

Vale
A Vale (VALE3VALE5) informou nesta terça-feira (7) que irá divulgar seus resultados para o primeiro trimestre de 2015 no dia 30 de abril às 6 horas da manhã. Já o relatório de produção da mineradora será publicado ao mercado no dia 22 de abril após a abertura do mercado.

BRF
A empresa de produtos alimentícios BRF (BRFS3) informou nesta terça-feira que seu Conselho de Administração aprovou contratar dois empréstimos com o BNDES que, juntos, somam quase R$ 600 milhões.

O primeiro de R$ 268,3 milhões, prevê uso dos recursos em até 18 meses e prazo de amortização de 30 meses. O outro, de R$ 330,3 milhões, deve ser usado em 24 meses e pago em 36 meses. O Conselho da companhia também aprovou constituir uma empresa em Angola, na condição de subsidiária da BRF GmbH.

Profarma
A Profarma (PFRM3) se posicionou nesta terça-feira (7) em relação à publicação no site do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) sobre investigação de cartel em licitações públicas para aquisição de medicamentos. A companhia Prodiet Farmacêutica - da Profarma - e outras 14 companhias estão sendo investigadas por supostamente manter "frequente comunicação com o objetivo de se coordenarem para fixar preços e combinar condições e vantagens em licitações, de modo a restringir a concorrência e o caráter competitivo dos certames. A prática teria ocorrido, ao menos, desde 2007 até abril 2011, em alguns estados brasileiros, como Minas Gerais, São Paulo, Bahia e Pernambuco", como informou o Cade.

A Profarma, no entanto, disse que aguarda notificação do Cade para manifestar-se sobre a investigação, e ainda esclarece que a aquisição do controle da Prodiet pela Profarma ocorreu em 22 de outubro de 2011, data posterior ao período sob investigação.

Magazine Luiza
Diante do baixo ritmo da economia e da queda na confiança de empresários e consumidores, o setor varejista brasileiro enfrentou um primeiro trimestre difícil em comparação com igual período do ano passado, afirmou nesta terça-feira a presidente da rede Magazine Luiza (MGLU3), Luiza Helena Trajano.

A executiva afirmou durante evento promovido pela Associação Brasileira de Private Equity e Capital de Risco (ABVCap) que o atual momento político e econômico vivido pelo país "é sério" e defendeu ajuste fiscal planejado pelo governo federal. "O Brasil vive um momento difícil, estamos em um momento político muito mais sério que o econômico, mas essa não é a primeira crise (vivida pelo país)", disse a executiva no evento, em referência a crises sofridas durante governos anteriores do país.

Qualicorp
Convencer um cliente de plano de saúde a migrar de um modelo totalmente coberto pela mensalidade por outro em que paga parte dos custos com consultas e exames não parece algo promissor, especialmente se a operadora quer aumentar o número de clientes.

Mas é exatamente nisso que está apostando a Qualicorp (QUAL3) para não somente reter, como ampliar sua base de clientes, tudo isso num ano em que a economia brasileira se aproxima cada vez mais de uma recessão. "Vamos tentar mostrar para os clientes que isso é um bom negócio", disse nesta terça-feira à Reuters o diretor de relações com investidores da companhia, Wilson Olivieri, durante o Brazil Investment Fórum, evento do Bradesco BBI.

Contato