Em imoveis / fundos-imobiliarios

Como o segundo maior mercado de escritórios do país atingiu vacância histórica

Rio de Janeiro é o tema do programa Fundos Imobiliários

SÃO PAULO - O mercado de escritórios no Rio de Janeiro atingiu vacância histórica em 2017 - e a tendência para 2018 pode não ser tão animadora. Para falar sobre o assunto, o programa Fundos Imobiliários, da InfoMoneyTV, recebe a Gerente de Negócios da JLL Rio de Janeiro, Evie Kempf. 

Para ela, o período que compreende o final de 2019 e início de 2020 trará provavelmente o "alarme das 6" no Rio, a depender da evolução econômica e política. Trata-se do momento em um ciclo de mercado em que os preços começam a ser ajustados sem anomalias após uma crise. (Saiba mais sobre esse ciclo aqui)

"Hoje estamos com uma vacância de 37,3%, algo que posso dizer que não está dentro do equilíbrio do mercado. Consideramos equilíbrio entre 12% a 15%", conta a especialista em entrevista ao professor do InfoMoney Educação Arthur Vieira de Moraes.

Visualizando o histórico a partir de 2007, percebe-se que o cenário passa a ser bem desfavorável ao proprietário nos últimos anos. "Até 2012, estávamos abaixo do equilíbrio de mercado", relembra, momento em que tudo o que entrava em termos de mercado de escritórios tinha absorção imediata.

"Depois de 2014, essa taxa de vacância aumenta", conta. Isso ocorre por conta de vacância, mas também de alta entrega de novos empreendimentos - empresas buscando uma absorção que existia quando começaram as construções, mas não quando seus empreendimentos foram de fato entregues. Tudo isso veio principalmente por impacto da queda do preço do petróleo, grande movimentador da economia local. 

Confira a entrevista completa acima. O programa Fundos Imobiliários vai ao ar todas as sextas-feiras às 15h40 na InfoMoneyTV

Contato