Energias do Brasil sobe 1,90% após entrar na lista de preferidas do UBS

Banco suíço colocou os papéis da companhia entre os favoritos do setor, substituindo os ativos da Tractebel
Por Nara Faria  
a a a

SÃO PAULO - Em dia negativo para as bolsas mundiais e em que o Ibovespa  encerrou com queda de 1,71%, as ações da Energias do Brasil (ENBR3) fecharam no sentido oposto, com valorização de 1,90%, negociadas a R$ 12,84. Contudo, no intraday, os ativos da companhia chegaram a registrar alta de 3,10%, cotadas a R$ 12,99.

Além do perfil defensivo do setor - o que colabora para que os investidores busquem essas ações em momentos de incertezas na economia -, também colabora para o desempenho das ações o relatório divulgado pelo UBS, que anunciou ter adicionado a companhia com a preferida do setor, em substituição aos ativos da Tractebel (TBLE3, R$ 36,20, -0,28%). Apesar disso, o banco recomenda a compra de seus ativos, sublinhando a qualidade defensiva dos papéis TBLE3.

Menos impactos da revisão tarifária
Entre os motivos para a mudança, o analista Marimar Torreblanca aponta a proposta de revisão tarifária da companhia, que veio em linha com as expectativas dos analistas e um pouco abaixo das expectativas da UBS.

Apesar de ver menor impacto que seus pares, Torreblanca optou por cortar as estimativas e o Ebitda (geração operacional de caixa) para o intervalo entre 2% e 4%, devido às estimativas de corte de R$ 15 milhões na geração de caixa, considerando que a revisão tarifária será aplicada desde o mês de outubro de 2011, e desde esta data o valor terá que ser devolvido ao consumidor por meio de tarifas mais baixas. 

"Por comparação, vemos risco mais forte desvantagem para as nossas estimativas da CPFL (CPFE3, R$ 23,28, +0,34%) provenientes deste terceiro ciclo de revisão tarifária", completa o analista. 

Deixe seu comentário