Ação da Eletrobras pode valer 2% do seu patrimônio; chance ou loucura?

Valor patrimonial da companhia é utilizado por investidores para definir o que comprar, mas no caso da Eletrobras, pode ser perigoso
Por Felipe Moreno  
a a a

SÃO PAULO - A Eletrobras (ELET3; ELET6) vê suas ações derreterem nos últimos meses. Com a queda de cerca de 20% nessa quarta-feira (21), os papéis atingem patamares vistos em 2004 - retrocedendo ganhos acumulados nos últimos oito anos em apenas dois meses.

O colosso, com patrimônio de R$ 79 bilhões, pode se encaminhar para um preço de R$ 1 por ação ordinária ou preferencial, segundo avaliação feita pelos analistas do Barclays, garantindo valor de mercado de R$ 1,4 bilhão - ou 2% do patrimônio atual. Para muitos, esse descolamento pode ser visto como uma ótima oportunidade de investimento; já para outros, a aposta na valorização de uma empresa nessa situação é quase que insana.

Muitos investidores usam o VPA (Valor Patrimonial por Ação) para definir o que comprar em bolsa. A conta é simples: se uma empresa vale menos em bolsa do que seu patrimônio, isso sinaliza que as expectativas para o futuro da companhia resultam em um preço menor do que ela de fato vale hoje - tendo como base seus ativos e passivos. Esse descasamento entre preço esperado no futuro e valor de mercado atual abriria espaço para uma boa oportunidade de investimento.

Contudo, é importante ponderar que a Eletrobras é uma estatal e seu capital não circula todo na bolsa. Uma "oferta hostil", no jargão do mercado, é impossível e improvável. A companhia se habituou a ver suas ações operarem abaixo do valor patrimonial durante boa parte de sua existência, uma exceção no mercado. E uma aposta, agora frustrada, de tantos outros.

Além disso, é importante ressaltar que, caso a companhia aceite a renovação estipulada pela MP (Medida Provisória) 579 - o que de fato deve acontecer -, boa parte desse patrimônio deve diminuir, visto que uma parcela dele é composta por ativos não-amortizados e, por consequência, não deverão ser reembolsados pelo governo. E esse impacto pode ser percebido já no próximo balanço trimestral a ser divulgado pela empresa.

Resultados não escondem situação difícil

Os resultados recentes da companhia também merecem ser avaliados de perto. A Eletrobras teve lucro de R$ 1 bilhão no terceiro trimestre de 2012 - o lucro mais "barato" do Ibovespa -  e pode repetir o resultado no último. Esses resultados não deverão se repetir em 2013, sob os novos termos da MP 579 (Medida Provisória), que deve destruir a rentabilidade da companhia para o ano que vem.

"A situação não está fácil para a companhia, está bem complicada. É a pior possível", alerta Henri Evrard, analista da Infinity Asset. Para ele, investir agora na elétrica estatal não é a coisa certa a ser feita, as incertezas são tantas e as respostas são poucas. "E quando há muitas dúvidas, a gente vende", destaca.

Dividendos serão um problema

O primeiro processo que a empresa precisa passar é pela profissionalização da gestão, atualmente muito dependente da política. A empresa deve precisar de muito gingado para superar os problemas que virão com a adoção das novas medidas da MP 579. "[A MP 579] vai criar uma situação insustentável, algo absurdo", diz Evrard.

O analista ressalta o contrato que a companhia tem, que a obriga a pagar dividendos para os detentores de suas ações preferenciais. "A companhia é obrigada a distribuir dividendos, independendo do resultado", diz. E conforme ela precise desembolsar a quantidade de dinheiro, maior ainda deverá ficar a sua dívida.

Oferta de ações?

Uma nova emissão de ações já foi especulada. Nos termos atuais, ela é praticamente uma certeza para parte do mercado. Ela serviria para capitalizar a empresa e permitir que ela continue com alguns investimentos básicos, já que é provável que ela perca a capacidade de se capitalizar através de sua própria atividade ela capacidade, visto que o próprio diretor de relações com investidores da empresa disse em teleconferência realizada na segunda-feira que a MP deve fazer com que o Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da Eletrobras fique zerado em 2013.

"É algo que não tem sustentação, vai ter que ser revisto. Mas enquanto não é revisto, não dá para fazer muito", afirma Evrard, destacando que acredita que o R$ 1,00 previsto pelo Barclays é difícil de ocorrer, mas que do mercado, é impossível duvidar de algo. Se essa é uma oportunidade ou uma loucura a se fazer, só o tempo dirá.

Deixe seu comentário

Cléber Binho (22/11/2012 11:13:47) É um momento de explorarmos outros mercados também rentáveis. Conheça acessando os sites abaixo. http://www.frpromotora.com/clebersoares684630 http://www.imagemfolheados.com.br/parceria/?a=32094
Clóvis Jose Perinazzo (22/11/2012 11:41:49) É isso mesmo a Eletrobras vai falir e o governo vai criar um apagão permanente no Brasil, vai tudo a PQP esta MP, e já se fala em a ação valer só R$ 0,01.
Edson Magalhães (22/11/2012 11:52:38) Você só pode estar brincando.... isso é um forum de investidores e não de gente querendo entrar em esquemas de pirâmide pega-trouxa....
Fábio Cruz (22/11/2012 13:11:10) Será que o Governo ainda não percebeu que iremos precisar gerar muita energia entre 2014 e 2016 devido a Copa do Munda e as Olimpíadas? Que hoje a situação de energia no país ja é complicada devido a falta de investimento na estrutura das redes elétricas. Como estas empresas afetadas pela MP terão condição de investimento? Mia uma vez o PT acabando com uma Estatal. Primeiro foi a Petrobras e agora a Eletrobras. Só resta saber, quem será a próxima vítima?
Jurandir Junior (22/11/2012 20:18:19) Quanto alarmismo! Nem a Eletrobrás vai falir nem vai haver aqueles apagóes do FHC. Apenas acredito que a Eletrobras deixará de ser um empresa interessante para investidor minoritário. Porém, QUEM INVESTE EM EMPRESAS PUBLICAS OU QUE OPERAM CONCESSÃO DO ESTADO DEVEM, OU DEVERIAM, SABER DISSO E ELABORAR SUA ANÁLISE DE RISCO.
Sérgio Galvão (23/11/2012 07:47:17) Isso é só especulação, não faz sentido esse preço, só manobra de mercado..... O preço vai voltar, não tem nehum bobo na Bolsa.
Luciano Araski (23/11/2012 09:34:51) A questão dos 2%, o mercado sempre olhou o patrimônio dela com desconfiança. Outra o estatudo da empresa e claro, ela tem um controlador e nos sabemos destes riscos, palavra usada em uma apresentação da APIMEC, quem tem ações dela sempre soube deste risco. Temos um governo populista, quem assimiu o risco foi sabendo bem, acredito que como falado não tem bobo no mercado.
Edson Mostaço (23/11/2012 16:56:21) Ué, o governo anterior acabou com um monte de estatais através da pirataria e o resultado para o país foi zero. Por que a gritaria agora? Só por que é o PT? Se o PSDB tivesse ganho em 2002, a Petrobras já seria gringa e nada de grana teria sobrado. O governo existe para governar para o país, não para nós investidores/especuladores. Nós temos que estudar onde botar nosso dinheiro, e não esperar que o governo nos enriqueça.
Paulo Cezar Santos Almeida (23/11/2012 19:21:27) ... e seremos vendidos como escravos na África, onde tentaremos um sistema de cotas para brancos (se era para viajar...).
Guilherme Parisi Pazeto (23/11/2012 20:15:25) Vc tem razão Fábio. Um governo que não respeita princípios básicos de finanças e de investimento. Para que existe então uma CVM? se o governo ao seu bel prazer movido por motivos politiqueiros simplesmente destroi bilhões de uma empresa estatal? e que se danem os investidores. Aliás, como o Governo quer financiar a previdência privada de tantos... não é ela que quer incentivar a criação de previdência privada para "desafogar" o INSS? como Dilma acha que o dinheiro virá? não será do sistema produtivo através das ações? Bom negócio, no mundo da Dilma, é financiar um minúsculo apartamento super mal feito com material de terceira com perigo de desabar na sua cabeça, e ser pobre e passível de benefícios na discriminação positiva das cotas (se é que existe alguma discriminação positiva), não trabalhar e ganhar uma merreca do bolsa miséria, com muitos filhos e parentes para votar no PT (viajei um pouquinho hehehe)
Atilio Minatto (24/11/2012 09:43:48) Quem não precisa da grana pra curto prazo é comprar. Maximo, 24 meses, tudo estra nos eixos e com isso, retono forte. acredito.
Jose Vergilio Duzzi (24/11/2012 13:07:39) Governo incompetente nao deixa o brasil crescer como merece , param a petrobras , a vale, agora querem dar u8m apagao no paiz .So cuidao do banco do brasil e da caixa e dos correios que da voto com o povo sem instruçao, e dinheiro para acorrupçao.
(24/11/2012 22:23:56) Fiz esse comentario em um Forum de Investimentos e vou repetir aqui... Dilma é Presidente do Brasil e não Presidente da Bovespa..POranto as ações dela são para o EStado Brasileiro, não estou dizendo que é boa ou ruim, apenas digo que não adianta xingarem..Isso é mercado..Quando o governo americano, os governos europeus injetaram dinheiro no mercado privado ,, ai td bem..O grande erro do "investidor" é querer que o governo resolva seus problemas quando escolhe errado o investimento que fez.. A Bolsa deixou de ser um lugar para investir qdo a CVM permite que "INVESTIDORES" façam venda descoberta, ou seja, vendem oque não tem...ai está o problema.. As Bolsas viraram um cassino,, deixaram há muito tempo de ser investimento.. Então comprem preços e não ação.. ou seja comprem quando estiver barato e vendem sem dó qdo subir e corram atras de outra ação..e assim vai..não pensem em comprar e ir pra casa dormir por que qdo voltar seu dinheiro sumiu...
(16/01/2013 13:33:33) o banco ingles fazendo previsões malucas, empresa que tem as 2 das maiores hidroeletricas do planeta, itaipu e tucurui com ação a 1 real, só pra ingles ver mesmo, o que voce gasta em hidroeletrica é para construir, depois disso é mamão com açucar.
Paulo L. Cavicchio (23/09/2013 17:55:39) estive aqui em dezembro .. li ... vi que era bullshit . E seguindo os preceitos de Buffet comprei ... o contrário do que dizem os analistas . E olha que está valendo a pena . A longo prazo ela volta ao patamar de antes 18 ,19 reais por ação .