Em educacao / guias

Análise por Múltiplos: um instrumento útil para ver se uma ação está "cara"

Abordagem permite comparação da empresa com outras firmas de seu setor e com seus pares do mercado internacional

SÃO PAULO - Animados com a forte valorização acumulada pelos principais índices de ação brasileiro, que nos últimos 12 meses varia entre 36% e 52%, muitos investidores consideram se seria esse o momento para investir em ações.

É através da análise do mercado de ações que o investidor pode ter pistas para entender se esse é, ou não, um bom momento para investir. Quando falamos de mercado de ações, existem basicamente duas metodologias de análise: a análise técnica e a análise fundamentalista.

Enquanto a análise técnica é mais indicada para se entender tendências de curto prazo do mercado, a análise fundamentalista é mais indicada para quem procura entender o desempenho de uma ação no médio e longo prazo do mercado.

Múltiplos dão idéia de valor relativo
Se existe um consenso no mercado é que o valor justo das ações de uma empresa é definido pela sua capacidade de geração de lucros no futuro. Como discutimos anteriormente, a Análise por Fluxo de Caixa Descontado (FCD) pode ser usada para determinar o valor justo de uma ação.

Já a análise fundamentalista trabalha com o conceito de múltiplos, sendo que esses múltiplos são calculados dividindo o valor de mercado da empresa por uma série de indicadores financeiros da empresa como, por exemplo, o lucro líquido, receitas, fluxo de caixa, valor patrimonial, etc. Feito isso, você pode comparar os múltiplos que obteve para as ações de uma determinada empresa com aqueles de outras empresas de forma a avaliar se a ação de seu interesse está ou não cara.

Porém, é importante tomar alguns cuidados. Antes de concluir, através da análise de múltiplos, que uma delas está cara, você precisa se assegurar que os indicadores financeiros utilizados no cálculo dos múltiplos são comparáveis, ou seja, são calculados da mesma forma, e pertencem a empresas que atuam no mesmo setor.

Fazendo uma analogia para o setor imobiliário, você só pode considerar que o m2 de um imóvel está caro ou não quando compara com imóveis da mesma região. Caso contrário, sua conclusão pode não ser correta. Certamente um imóvel localizado na região da Avenida Paulista em São Paulo tem um m2 mais caro do que outro localizado em Itaquera. Daí a importância de comparar múltiplos de empresas do mesmo setor.

Olhando os fundamentos
Mas, como entender a relação entre a análise de fluxo de caixa descontado e a análise de múltiplos de uma empresa? Simples. Ainda que se possa calcular os múltiplos de uma empresa utilizando dados históricos, ou seja, dados do último demonstrativo divulgado, a maior parte dos analistas se baseia nos múltiplos calculados com base nos dados projetados pela análise de fluxo de caixa descontado.

Em outras palavras, ao invés de calcular o múltiplo da empresa com base nos resultados referentes a 2004, os dados projetados para 2005 e 2006 podem ser usados, sendo que os dados previstos provêm do modelo de FCD. Somente assim é possível entender o impacto de mudanças nas variáveis de projeção da empresa, como taxa de crescimento de vendas, riscos, etc., nos múltiplos de mercado das ações desta empresa.

Feito isso, compara-se os múltiplos da empresa com aqueles de empresas do mesmo setor. Se esta relação estiver muito inferior à média deste múltiplo no setor de atuação da companhia, isto indica que o mercado pode estar sub-avaliando a empresa em questão. De maneira análoga, quando este indicador está alto na comparação com os seus pares, ou até mesmo em relação à média histórica deste próprio múltiplo, é possível que o mercado esteja sobre-valorizando esta firma.

Porém, como sempre quando o assunto é análise de ações, é importante entender todos os fatores que influenciam o preço de uma ação. Muitas vezes, os múltiplos mais baixos refletem menor liquidez das ações, instabilidade da base acionária, etc. Daí a importância de nunca restringir sua decisão de compra ou venda de ações a apenas um fator.

Limitações no uso dos múltiplos
Dentre as principais vantagens da análise de múltiplos podemos citar que ela é uma ferramenta útil para avaliar se as ações de uma empresa estão caras ou baratas frente a ações de outras empresas, permitindo, portanto, estabelecer um preço justo através desta comparação.

Além disso, a metodologia permite comparar o preço atual de uma ação com o seu preço em períodos passados, comparar empresas domésticas com seus pares internacionais, servindo, assim, como complemento para outros métodos de análise quantitativa e qualitativa.

Porém, como era de se esperar, a análise de múltiplos apresenta algumas limitações, que não podem ser esquecidas. Dependendo dos indicadores utilizados, a análise de múltiplos não captura mudanças estruturais de estratégia e gestão de uma empresa, sobretudo quando o impacto da adoção de uma determinada estratégia só é sentido no médio-longo prazo.

Isso acontece porque a análise de múltiplos em geral restringe seu horizonte ao ano corrente e os dois anos seguintes. Nesse sentido, tende a penalizar companhias que estão investindo em projetos cujo retorno só é auferido no futuro. Assim, por exemplo, um investimento efetuado em 2005 que só gere retorno em 2008 poderia se traduzir em múltiplos menos vantajosos para a empresa.

Outro fator limitante é a existência de diferenças contábeis e tributárias entre empresas e, sobretudo, entre países. Assim, por exemplo, a menos que se trabalhe com demonstrativos padronizados, o analista precisa efetuar ajustes nos múltiplos, o que nem sempre é fácil de ser implementado.

Contato