Em carreira / emprego

5 dicas da Cambridge e da Cultura Inglesa para ter a habilidade mais buscada no mercado

Desenvolva a habilidade da fala para ter mais chances no mercado de trabalho brasileiro

livro inglês
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Um estudo realizado por Cambridge English Language Assessment, departamento da Universidade de Cambridge responsável por avaliações de proficiência da língua inglesa e formação de professores, e pela QS Intelligence Unit, que atua com coleta de dados do mercado empregador e de educação, aponta que 95% dos empregadores de países não nativos do inglês consideram o idioma importante e o reconhecem como a língua dos negócios.

De acordo com a mesma pesquisa, a habilidade mais valorizada em língua estrangeura é a expressão oral (com 43,5% dos entrevistados), seguido de perto pela leitura (com 35%). Ao InfoMoney, Alberto Costa, senior assessment manager de Cambridge English no Brasil, e Vinícius Nobre, gerente acadêmico da Cultura Inglesa, listam cinco conselhos para destravar a conversação em busca de uma melhor posição no mercado de trabalho:

 

Ouça e leia simultaneamente

Para uma boa pronúncia e segurança na conversação é necessário que primeiro aconteça a identificação e associação da palavra escrita com sua pronúncia e entonação quando combinada em uma frase. Nesse sentido, uma dica é, por exemplo, ler a letra de uma música enquanto a canta. E, para que o desenvolvimento esteja relacionado à atividade profissional, uma opção é procurar por livros bilíngues que vêm acompanhados de arquivos de áudio e são ótimas fontes de vocabulário. Algumas editoras os categorizam por nível de dificuldade, entre básico, intermediário e avançado. A partir dessas experiências, dê origem a outras, como anotar sentenças para repetir depois ou gravar vídeos e áudios com uma análise sobre a leitura realizada para que seja escutado depois e usado para identificar os possíveis pontos de melhoria.

 

Busque o contato frequente com o idioma

O bom desempenho da habilidade está diretamente ligado à familiaridade com a língua. E isso só é possível conquistar quando ela passa a fazer parte do cotidiano, em atividades comuns do dia-a-dia, sem que isso seja percebido como um momento único de imersão. Ou seja, mais do que usar as horas semanais dedicadas às aulas de inglês, é preciso adotar algumas posturas que permitam o contato freqüente com o idioma. Por exemplo, expresse em voz alta suas opiniões sobre temas que fazem parte do mercado em que atua, simule possíveis conversas que você precisará ter no ambiente de trabalho, fale sua rotina diária em inglês. Atos como esses permitem descobrir as deficiências (de vocabulário ou de pronúncia) que precisam ser vencidas e gradativamente o processo de falar em inglês torna-se mais natural e menos tímido.

 

Concentre-se no todo e não no sotaque

Um fator que comumente faz com que os brasileiros tenham receio de se expressar oralmente é a autocrítica de que para falar o idioma é dever dominar o sotaque e a fluência de um nativo. Isso não é verdade. O sotaque e os trejeitos da língua materna não podem ser encarados como algo negativo. Eles são apenas uma particularidade de cada nação. A eficiência do diálogo está em dominar o vocabulário, a gramática e o raciocínio lógico em torno daquela ação. Ou seja, não é um problema que a fala seja um pouco mais lenta quando comparada com alguém que nasceu em um país em que o idioma é o oficial, mas é essencial saber diferenciar o som do “i” mais curto e mais longo (como em live e leave), por exemplo. Para isso, o conselho é a prática! Há opções de atividades online e gratuitas que exploram esses aspectos, como a seção Learning English no site de Cambridge English (http://www.cambridgeenglish.org/learning-english). Quanto mais treino, maiores são as chances de adquirir desenvoltura quando o assunto é falar inglês.

 

Grave sua prática

Para garantir maior segurança na hora de se comunicar oralmente, é importante criar um repertório que possa ser acionado com prontidão. Para isso, gravar o que você falaria em interações que estão próximas à sua realidade pode ser uma excelente maneira de se apropriar de termos e estruturas específicas, aumentando a naturalidade e a fluência. Ao ouvir sua participação, você pode identificar maneiras de aprimorar seu discurso e traçar comparativos. Além disso, essa prática exige apenas um recurso de gravação de voz, presente em muitos telefones.

 

Valorize os aspectos paralinguísticos   

A comunicação verbal é normalmente acompanhada de aspectos não-verbais que têm um papel muito importante na maneira como a mensagem é transmitida. Ter consciência do tom de voz, ritmo da fala e até mesmo volume utilizado pode contribuir para uma interação mais eficiente e natural. Além disso, regras culturais podem influenciar a maneira como usamos o nosso corpo e expressões faciais em conversas formais e informais. Observe como falantes proficientes do idioma interagem e como a mensagem pode ir muito além do significado literal das palavras.

Contato