Em bloomberg / tecnologia

Um quarto dos anúncios no Facebook leva a sites de produtos falsificados

Publicidades de ofertas como óculos de grife de US$ 180 anunciados por menos de US$ 30 remetem a sites fictícios de comércio eletrônico registrados por empresas chinesas de fachada

Um em cada quatro anúncios no Facebook Inc. de produtos de luxo em oferta, como bolsas Louis Vuitton e óculos de sol Ray-Ban Aviator, remete a sites que comercializam itens falsificados, segundo as descobertas de dois pesquisadores independentes de segurança cibernética.

Publicidades de ofertas como óculos de grife de US$ 180 anunciados por menos de US$ 30 remetem a sites fictícios de comércio eletrônico registrados por empresas chinesas de fachada, mostrou uma investigação de Andrea Stroppa e Agostino Specchiarello. Os italianos examinaram mais de 1.000 anúncios na rede social, o que incluiu 180 na categoria de luxo e moda. Destes, 43 levavam a produtos falsificados.

Os links fraudulentos na internet há muito tempo são um campo de batalha para as empresas do setor de luxo. Em setembro, a LVMH Moet Hennessy Louis Vuitton SA, com sede em Paris, deu fim a uma longa disputa com o Google Inc, fechando um acordo com a empresa de buscas para ajudar a evitar que vendedores anunciassem produtos falsificados na internet.

A LVMH, maior empresa de produtos de luxo do mundo, havia acusado o Google de violar seus direitos de marca vendendo palavras protegidas como palavras-chave que remetiam os usuários que entravam no site em busca das marcas da empresa francesa, a sites que vendem itens falsificados.

O Facebook não mede esforços para encontrar anúncios ilegítimos e responder aos pedidos de remoção, disse a empresa, que tem sede em Menlo Park, Califórnia.

“Nós proibimos anúncios ou conteúdos fraudulentos ou enganosos e para aplicar nossos termos e políticas temos investido recursos significativos com o objetivo de desenvolver um robusto programa de análise dos anúncios, que inclui revisão tanto automatizada quanto manual das publicidades”, disse o Facebook, em um comunicado enviado por e-mail.

Policiar anúncios

A forma em que o Facebook e outros gigantes da internet policiam suas redes de anúncios é algo que pode ter um papel importante para dificultar a venda de produtos falsificados on-line, disse Guido Scorza, advogado especialista em propriedade intelectual. Uma das melhores formas de lutar contra os sites de comércio eletrônico que não respeitam o copyright é “não fechá-los e mantê-los isolados das grandes redes de publicidade”, disse ele.

Os sites que vendem produtos falsificados frequentemente são muito parecidos com os verdadeiros. Uma imitação da loja da Ray-Ban inclui a marca em seu endereço na internet, designs e logotipos que se assemelham ao Ray-Ban.com, e informações sobre garantias que não existem, segundo os pesquisadores.

Maior produtora de óculos do mundo e dona da marca Ray-Ban, a Luxottica Group diz que está trabalhando com o Facebook e pede que a empresa dona da rede social se esforce mais.

“A luta contra a falsificação é uma prioridade para a Luxottica”, disse uma porta-voz da firma com sede em Milão.

Esta não é a primeira vez que Stroppa, um dos pesquisadores, investiga as redes sociais. No ano passado, ele e Carlo De Micheli examinaram o mercado paralelo de seguidores do Twitter. Com base em suas descobertas, ele disse ao New York Times que a dupla havia estimado a existência de até 20 milhões de contas falsas na rede social.

Mark Zuckerberg - Facebook - Bloomberg
(Bloomberg)

Contato