O que é Tape Reading? (Parte 1)

Conheça a técnica que reinou soberana nos tempos áureos do Pregão Viva Voz, e ainda hoje constitui a principal tática de muitos traders, gestores entre outros profissionais do mercado financeiro.
Blog por Caio Sasaki  

Há cerca de 2 décadas atrás  eu já acompanhava o mercado, indiretamente, através de um primo que morou um tempo na casa dos meus pais e era “Operador de Pregão” – um daqueles caras que aparecia na TV, gritando e gesticulando coisas que só eles entendiam. Tudo era diferente em relação aos dias de hoje, pois notebooks eram coisas raras e, além disso, tablets, smartphones e wifi estavam muito longe de ser uma realidade na vida do cidadão comum. A análise técnica já existia, mas os softwares que conhecemos hoje em dia ainda engatinhavam naqueles tempos. De qualquer forma, um trader do Pregão Viva Voz tinha uma arma muito mais poderosa: a interpretação do ambiente de negociações.

É mais simples do que se pode imaginar. As “rodas” de negociação eram compostas por um número limitados de players, por uma questão de espaço físico. Aliás, o próprio acesso ao mercado de capitais era para poucos, pois um trader precisava do “crachá”, ou seja, uma credencial que autorizava a negociação naquele ambiente. Neste ponto você pode estar pensando: Sasaki, o que isto tem a ver com as táticas de negociação de hoje, especialmente o tal Tape Reading?

Como o número de players era limitado, e todos negociavam fisicamente no mesmo ambiente, nada mais natural do que eles se conhecerem, certo? E como todos sabemos, qualquer lugar do mundo é comandado por um número reduzido de pessoas, seja na política, na indústria, no comércio ou mesmo na bolsa de valores. E no caso da bolsa existe até mesmo uma expressão para definir os players grandes e pequenos (tubarões e sardinhas, respectivamente). Daí, não precisa de muito esforço para concluir que uma excelente tática consistia em monitorar os tubarões (ou os operadores que atuavam para eles) e surfar as ondas geradas pelos grandes fluxos. Da mesma forma que um elefante não consegue entrar numa piscina sem causar ondas e alterar o nível da água, uma ordem grande não pode ser executada no mercado sem ser percebida de alguma forma. E voltando mais algumas décadas no tempo, há muitos anos as ordens ofertadas e executadas no mercado norte-americano  já eram registradas eletronicamente em uma “fita”, de tal forma que alguns investidores analisavam este histórico de operações para tomar suas decisões. E é a partir da leitura desta fita que denominaram a técnica como “tape reading”.

Contudo, os anos passaram, a dinâmica de negócios mudou e a técnica acabou adormecendo para os novos investidores. O que pouca gente sabe é que o tape reading persiste no mercado eletrônico atual e ainda é utilizado por diversos traders. E é justamente sobre isto que irei falar no próximo artigo... não precisa ficar ansioso(a), pois voltarei em dois dias.

Tenha um ótimo dia e excelentes negócios!

PS: Críticas, dúvidas e sugestões, por favor, deixe seu comentário abaixo!

Se você quer aproveitar as oportunidades que Bolsa está apresentando, clique na imagem abaixo e assista a um curto vídeo onde o analista André Moraes compartilha 3 dicas que podem fazer toda a diferença na hora de operar!

As 3 Dicas Que Eu Gostaria De Ter Recebido Quando Comecei na Bolsa

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil do blogueiro

É trader, formado em Física pela USP e chegou a fazer mais de 300 operações por dia na Nasdaq e na Bolsa de Nova York. Foi estrategista em instituições como Citibank, Interfloat e XP Investimentos e hoje dedica parte de seu tempo para formar traders independentes. contato@sasakitraders.com.br