Blog InfoMoney

Economia e politica direto ao ponto

Em blogs / economia-e-politica / economia-e-politica-direto-ao-ponto

Palocci derruba as torres gêmeas: Lula e Dilma

Os 13 anos de PT só foram possíveis porque, logo no início, o partido conquistou o mercado com Palocci na Fazenda e Meirelles no Banco Central. Possivelmente Lula sabia que um presidente se elege com o povo, mas não governa sem o mercado numa democracia. Se o PT começasse com Mantega, possivelmente Lula teria caído logo no Mensalão (por que será que  foi tão blindado?). Ironicamente, Palocci foi fundamental para o início do lulopetismo e para o sepultamento político de Lula e Dilma ao colocá-los como chefes do maior esquema de corrupção do país. O PT também teve seu 11 de setembro.

Enganam-se aqueles que acham que a maior crise econômica do Brasil foi gestada no governo Dilma. O afrouxamento fiscal – fruto de expansão do gasto público e benesses do BNDES (crédito subsidiado) – iniciou-se no governo Lula, conforme já apontaram vários economistas, entre eles, Samuel Pessoa, em entrevista ao Valor na semana passada (aqui).   

Não só a farra fiscal, como o maior escândalo de corrupção da história do país teve início no governo Lula. Conforme palavras do ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma, Antônio Palocci,  Lula favorecia contratos bilionários entre a Petrobras e a Odebrecht em troca de propina, principalmente para o PT (veja resumo completo aqui e aqui). Grosso modo, as obras eram superfaturadas e o “excesso de lucro” era distribuído para diretores da Petrobras, laranjas e políticos do executivo e do legislativo. Segundo Palocci, foram desviados 300 milhões para os cofres de Lula e Dilma.

A corrupção e a farra fiscal foram responsáveis pela piora no ambiente de negócios, pelo enfraquecimento institucional, resultando em queda brutal do investimento, deterioração da renda e em 14 milhões de desempregados em todo país.

Alguns alegariam que durante o governo Lula o país cresceu, a inflação esteve sob controle e o desemprego caiu. Verdade. Mas tais conquistas foram ilusórias e não ocorreram de maneira sustentada. Todo o crescimento da renda foi corroído pela queda do PIB, desemprego e aumento da inflação posteriormente no governo Dilma. Ah, mas isso não foi culpa da Dilma?  Não completamente; Lula teve sua boa dose de culpa nesse fracasso. Primeiro, porque o abandono da matriz econômica – austeridade fiscal, câmbio flutuante e controle inflacionário – e montagem da corrupção institucionalizada tiveram início no governo Lula. Segundo, que Lula foi o fiador do governo Dilma. Terceiro, é razoável supor que Lula fosse conivente e apoiasse os delírios econômicos de Dilma e Mantega, dado que era a figura mais poderosa dentro do seu partido.  

Um ponto pouco analisado por economistas e analistas políticos é por que houve uma mudança na condução da política econômica a partir de 2005? Por que o governo Lula começou de uma maneira austera na economia, vivendo uma lua de mel com o mercado financeiro, para depois partir para políticas keynesianas, marcada pela expansão desenfreada do gasto público? Curiosamente, a mudança ocorreu principalmente logo após a saída de Palocci da Fazenda. Uma hipótese bem plausível é que Lula e os caciques do PT sabiam que precisavam conquistar o mercado para governar. A austeridade fiscal de 2003 a 2005 não decorreu de uma crença de Lula no livre mercado – muito pelo contrário -, mas decorreu de seu pragmatismo em nome de uma ideologia: primeiro conquista-se o mercado para depois intensificar o populismo, o capitalismo de compadres, os apoios e financiamentos  às ditaduras cubanas e venezuelanas.  

Se Lula foi o fiador de Dilma; Palocci foi o fiador de Lula. Palocci garantiu a confiança do mercado. Enquanto Palocci tocava a economia com a mão direita, Lula prepara os conchavos e as alianças com a mão esquerda. Daí a importância de não analisar um governo apenas pela visão econômica, mas pela ótica política. Até o brilhante economista Alexandre Schwartsman confessou o erro em entrevista para os meus vizinhos de blog Terraço Econômico. Nas palavras dele, “se há um grande erro que claramente cometi (há outros, mas nenhum tão grande), foi ter acreditado depois da posse do presidente Lula e sua opção pela continuidade da política econômica do governo Fernando Henrique que o país já havia amadurecido o suficiente para que certas políticas fossem adotadas independentemente da coloração partidária do governo de plantão” (veja entrevista aqui).  

Já para uma minoria via o pragmatismo de Palocci com ressalvas. Sabia que no fundo a guinada mais à “direita” no início do governo Lula resultaria de escalada à esquerda nos anos seguintes. O filósofo Olavo de Carvalho já chamava a atenção para este ponto: “A pessoa mesma do sr. Luís Inácio Lula da Silva, homenageada simultaneamente em Davos por sua conversão à economia de mercado e no Foro de São Paulo por sua fidelidade inalterável ao comunismo, é o símbolo vivo desse acordo essencial na época em 2007” (texto completo aqui).

De fato, a guinada à esquerda ficou mais clara nos anos seguintes. O governo Lula e Dilma foram marcados por tentativas de controle da mídia e de interferência no STF (vide áudios do Lula, por exemplo), alianças e financiamento com ditaduras socialistas (Venezuela, Cuba), e corrupção institucionalizada para manutenção do partido no poder (“Mensalão”, “Petrolão” e “Joeslão”).

É claro que a corrupção já é um mal em si; porém a corrupção petista tem um agravante: não visa apenas ao enriquecimento pessoal – o que já seria deplorável -, mas a manutenção dos companheiros do poder. O “Mensalão” e o “Petrolão”, bem como as justificativas petistas sobre os esquemas de corrupção, são as provas de que o PT tinha um projeto de 100 anos de poder (leia artigo que se tornou viral – Afinal, o PT é um partido comunista?).

Os 13 anos de PT só foram possíveis porque logo no início o partido conquistou o mercado com Palocci na Fazenda e Meirelles no Banco Central. Possivelmente Lula sabia que um presidente se elege com o povo, mas não governa sem o mercado numa democracia. Se o PT começasse com Mantega, provavelmente Lula teria caído logo no Mensalão (por que será que  foi tão blindado?). Ironicamente, Palocci foi fundamental para o início do lulopetismo e para o sepultamento político de Lula e Dilma ao colocá-los como chefes do maior esquema de corrupção do país. O PT também teve seu 11 de setembro.

Siga Alan Ghani no *Facebook* e no *Twitter*  

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Dilma e Lula em Paris - 11/12/12
(Reuters)

perfil do autor

InfoMoney Blogs

Alan Ghani

É economista, mestre e doutor em Finanças pela FEA-USP, com especialização na UTSA (University of Texas at San Antonio). Trabalhou como economista na MCM Consultores e hoje atua como consultor em finanças e economia e também como professor de pós-graduação, MBAs e treinamentos in company.

Quer dicas exclusivas?

Preencha os campos abaixo e receba dicas e conteúdos exclusivos do blog Economia e politica direto ao ponto

Contato