Blog InfoMoney

Painel Contábil

Em blogs / contabilidade / painel-contabil

Custos e faturamento

Executivos conhecem o postulado da primazia do aumento de receita sobre a redução de custos. Ampliar faturamento é mais importante do que reduzir custos. Porém, infelizmente, aumentar vendas ou elevar preços é difícil, pois depende mais das forças do mercado que das competências e habilidades dos administradores.

Para controlar gastos é preciso buscar a padronização de produtos e clientes

Executivos conhecem o postulado da primazia do aumento de receita sobre a redução de custos. Ampliar faturamento é mais importante do que reduzir custos. Porém, infelizmente, aumentar vendas ou elevar preços é difícil, pois depende mais das forças do mercado que das competências e habilidades dos administradores.

Prevenir e reduzir custos são ações relacionadas a competências e habilidades das pessoas que atuam nas empresas. O custo é o componente do lucro que está sob maior domínio dos gestores.

A título de exercício, podemos imaginar duas empresas competindo com produtos parecidos no mesmo mercado. Em certo período, a empresa "A" obteve uma receita de R$ 200 e a "B" de R$ 180, mas o lucro da primeira foi de R$ 10 e o da segunda, R$ 18. A que faturou menos (R$ 180) lucrou mais (R$ 18). Isso no mesmo mercado, com produtos similares. Os nomes e os valores são fictícios, mas as empresas e o fenômeno ocorrido são reais, de empresas conhecidas.

Em que aspecto da formação do lucro a empresa "B" é mais competente que a "A"? A resposta só pode ser uma: a empresa "B" é melhor na gestão de custos.

Para gerenciar custos, o primeiro passo é conhecer os fatores que determinam os custos; sabendo disso, ficará mais fácil agir sobre eles. Existem muitos determinantes de custos, mas, em cada empresa, geralmente apenas uns três ou quatro são os principais e um deles é o nível de diversidade.

Todo tipo de diversidade pressiona os custos: diversidade de produtos, de clientes, de equipamentos, de fornecedores, etc.

Sobre a diversidade de produtos, é importante considerar que a oferta de muitos produtos diferentes pode ser uma estratégia de marketing, mas nem sempre ajuda a aumentar os lucros da empresa. Vale, aqui, a "Lei de Pareto": cerca de 20% dos produtos representam cerca de 80% do lucro de uma companhia.

Pode acontecer de alguns poucos produtos representarem mais que 100% do lucro e os outros apresentarem margem negativa, "comendo" o resultado dos primeiros. O problema é que, muitas vezes, as empresas não sabem disso, porque desconhecem o custo de produzir cada produto.

Outro ponto é a diversidade de clientes. Possuir muitos clientes diferentes pode ser uma estratégia de marketing, mas nem sempre ajuda a aumentar o lucro.

Vale a mesma lei: cerca de 20% dos clientes respondem por 80% do lucro. Às vezes, alguns poucos clientes representam mais que 100% do lucro e os outros apresentam margem negativa, "comendo" o resultado dos primeiros.

O problema é que muitas firmas não sabem disso, porque desconhecem o custo de atender cada cliente, cada categoria ou classe de clientes.

Tem também a diversidade de equipamentos. Muitas empresas possuem máquinas e equipamentos de várias marcas, diversos fabricantes, capacidades etc. Isso gera maiores custos de manutenção e de treinamento dos funcionários para uma empresa.

Para controlar custos, deve-se buscar o oposto da diversidade, que é a padronização. Sempre que possível, as empresas devem tentar trabalhar com produtos, clientes, equipamentos, fornecedores padronizados. A padronização reduz e ajuda a controlar os custos.

A propósito: a empresa "B", do exemplo, é modelo mundial de padronização.

Welington Rocha é presidente da Fipecafi e professor da FEA-USP 

 

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Nota de 100 reais
(Shutterstock)

perfil do autor

InfoMoney Blogs

Luciane Reginato

​​ É professora da FEA/USP. Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, mestre em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, com imersão em pesquisa em Montreal/Canadá, e doutora em controladoria e contabilidade pela USP.

InfoMoney Blogs

Marta Grecco

Doutora em Administração de Empresas pelo Mackenzie com doutorado-sanduíche na Universidad de Salamanca (Espanha), mestre em Controladoria e Contabilidade pela FEA-USP e graduada em Ciências Contábeis pela FEA-USP. Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da FIPECAFI e professora na FUNDACE e no CRC-SP.

InfoMoney Blogs

Valdir Domeneghetti

Mestre em Administração pela FEA-RP/USP. Especialista pela FIPECAFI/USP em Auditoria Interna e também em Gestão de Negócios de Atacado. Graduado em Administração. Funcionário do Banco do Brasil por 26 anos tendo atuado nas redes de Atacado/Varejo e Auditoria Interna.

InfoMoney Blogs

Paschoal Russo

Doutor em Ciências Contábeis e Controladoria pela FEA / USP, Mestre em Ciências Contábeis pela FECAP (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), MBA em Finanças pela FIA (FEA/USP) e Graduado em Engenharia Industrial Mecânica pelo Centro Universitário da FEI de São Bernardo do Campo - SP. É professor da FIPECAFI (FEA / USP) e da FIA.

InfoMoney Blogs

Fipecafi

Fundada em 1974, a Fipecafi - Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras - é hoje uma das principais instituições de ensino e pesquisas do segmento de contabilidade, finanças, auditoria e atuária. Ligada ao departamento de contabilidade e atuária da FEA/USP, oferece cursos de graduação, pós-graduação, MBA, mestrado profissional, extensão, educação executiva, e-learning e In Company.

InfoMoney Blogs

Ana Braun Endo

Jornalista, especialista em Marketing e mestre em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo. É doutoranda em Ciências da Comunicação pela ECA/USP e em Gestão da Informação pela Universidade nova de Lisboa. É professora convidada em programas de pós-graduação lato sensu e consultora de marketing educacional na FIPECAFI/FEA-USP e na PUC-Campinas.

InfoMoney Blogs

Wellington Rocha

Bacharel em Contabilidade pela Universidade de São Paulo. Mestrado e doutorado em Controladoria e Contabilidade, também pela USP, com foco em Gestão Estratégica de Custos. Formado pela Harvard Business School em aplicação do Método do Caso no ensino de Administração. É coordenador do Laboratório de Gestão de Custos da USP e membro do corpo docente do Departamento de Contabilidade e Atuária da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. É também autor ou coautor de 46 artigos publicados em periódicos e mais de 40 trabalhos apresentados em congressos nacionais e internacionais. Apresentou mais de setenta palestras no Brasil e no exterior.

Contato