Como planejar a vida financeira a dois

Casar não é só subir ao altar, trocar alianças e dizer sim. Quanto mais claras as finanças conjuntas forem para um casal, menor a chance de mal-entendidos, brigas e desacordos.
Blog por Carolina Ruhman Sandler  

Casar não é só subir ao altar, trocar alianças e dizer sim. A partir do momento que vocês são marido e mulher, vocês passam a dividir a vida - e tudo que acompanha a mudança de estado civil. Já ouviu a frase ‘o que é seu, é meu, e o que é meu, é seu’? Pois bem, na hora que você se casa, precisa começar a planejar as finanças do casal.

 

É claro que existem diferenças entre os diferentes regimes de bens, mas ao decidir se casar, você decide também dividir a vida – e o dinheiro faz parte disso. Isso pode ser algo gostoso, cheio de intimidade e planos para o futuro, ou pode dar em várias brigas – e até ameaçar o casamento.

 

Quanto mais claras as finanças conjuntas forem para um casal, menor a chance de mal-entendidos, brigas e desacordos. O que está combinado nunca sai caro, não é?

 

Regime de bens

 

Na hora de ir ao cartório civil, você precisa estar com o regime de bens do seu casamento definido. Nessa hora é preciso deixar o sentimentalismo de lado e assumir uma postura racional, para não ter problema no futuro.

 

No Brasil, existem três principais opções: a comunhão total de bens, a comunhão parcial de bens e a separação total de bens. Na comunhão total, todos os bens, passados e futuros, pertecem igualmente a marido e mulher. Já na comunhão parcial, apenas os bens que forem adquiridos após o casamento pertencem igualmente ao casal – tudo o que veio antes do casamento é de propriedade individual de quem os adquiriu, inclusive heranças. Por fim, na separação total, não há compartilhamento de bens passados ou futuros e cada um é o titular único dos bens no seu nome. Neste caso, vocês precisam fazer um Pacto Antenupcial antes de ir ao cartório.

 

É claro que ninguém gosta de discutir este tipo de assunto logo antes do casamento, pois queremos acreditar no felizes para sempre. No entanto, é super importante ter isso bem claro e discutido entre o casal, para evitar complicações futuras.

 

Hoje em dia, é raro o casamento com comunhão total de bens. As alternativas mais comuns são a comunhão parcial ou a separação total. Isto porque as duas opções dão mais segurança para cada um dos noivos. Você sabia que se estiver casada com comunhão de bens e o seu marido contrair dívidas, elas são suas também? Então não são apenas os bens, mas a ausência deles também!

 

Para os recém casados…

 

A partir de agora, a renda do casal é uma só. Mesmo que vocês optem por manter as contas separadas no banco, vocês têm que saber que o conjunto disso pertence aos dois. Para isso, vocês vão ter que conversar muito sobre o assunto. Por onde começar?

 

Primeiro, prepare-se. Falar de finanças não é só contar o quanto você ganha (essa é a parte fácil!), mas sim quanto você gasta. Por isso, você precisa ter muito claro com você mesma como funcionam os seus gastos. Faça um levantamento mensal e divida seus gastos por categorias, para saber exatamente quanto você vem gastando com as contas da casa, roupas, manicure, academia, e assim por diante.

 

Seja transparente. Não é a toa que falar de dinheiro não é fácil – você pode não querer dividir com ele quanto você gasta. Mas a partir do momento em que vocês se casam, este dinheiro passa a ser dos dois e novas prioridades surgem, como gastos com a casa e filhos. E mais: ao mostrar tudo com clareza, você mostra a ele que ele também pode ser transparente com você. Confiança acima de tudo!

 

Dividam os gastos. No momento que os dois sabem dos gastos e renda de cada um, fica muito mais fácil organizar isso. Vocês podem dividir como quiserem, mas deixem claro quem vai pagar cada conta e estabeleçam um limite para o orçamento. Vocês podem definir ter uma conta conjunta ou então achar melhor cada uma manter a sua – não tem resposta certa. Vai depender apenas de como vocês funcionam e achar a melhor maneira de botar isso em prática.

 

Sonhem! Pensem também em uma poupança conjunta, para poderem alcançar os sonhos de vocês: uma casa maior, uma viagem, carro novo… E decidam quem é que vai cuidar deste dinheiro, se será você ou ele, de acordo com os pontos fortes de cada um.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil da blogueira

Carolina Ruhman Sandler é fundadora do Finanças Femininas (www.financasfemininas.com.br), o primeiro site de finanças para mulheres do Brasil.