Por que falar de finanças só para mulheres?

As mulheres vivem uma série de circustâncias específicas que justificam (e muito) a criação de um espaço para falar de dinheiro só com elas.
Blog por Carolina Ruhman Sandler  

Desde que comecei a escrever sobre finanças para mulheres, a primeira pergunta que ouço, invariavelmente, é: por que só para elas? Não é a mesma coisa que falar de finanças para homens? Resolvi estrear este espaço aqui com a minha visão sobre este tema.

É claro que há questões financeiras que são universais e não dependem de gênero. Todo mundo vai ter que lidar, de forma direta ou indireta, com alguns assuntos como endividamento, parcelamento, crédito, dívidas, poupança ou investimentos em algum momento da vida. Não importa o seu sexo, são pontos que todos devem (ou deveriam, pelo menos!) se importar e olhar com cuidado.

No entanto, eu acredito que há questões sim que são únicas para o universo feminino. A mulher ainda é hoje a principal responsável pelos cuidados da casa e dos filhos - elas gastam mais tempo com isso durante a semana do que os homens, segundo estudos. A gente sabe que tem muito homem por aí que ajuda na casa, lava a louça, dá banho nos filhos e até leva ao médico no meio da tarde se a coisa aperta e a esposa está no meio de uma reunião importante (se você é um deles, parabéns!). Mas eles são a minoria, são aquelas histórias que você ouve alguém contando. Eu nunca vi mulher nenhuma se vangloriar porque ajudou a preparar o jantar da família ou foi à reunião de pais e mestres na escola dos seus filhos.

O papel dessa mulher também está mudando. Em 38% dos domicílios brasileiros, segundo o último Censo, ela é a chefe - ou seja: ou não tem marido em cena, ou ela ganha mais do que ele. A mulher é mais escolarizada hoje que o homem e seu papel está ganhando cada vez mais relevância no mercado de trabalho, com cargos maiores e salários mais elevados. E ainda assim existe uma discrepância real nos salários de homens e mulheres: de acordo com levantamento do IBGE, os salários das mulheres no Brasil são 28% menores do que os dos homens.

Essa é a mesma mulher que chega do trabalho e ainda tem que encarar o segundo e o terceiro turnos, com os cuidados com a casa, o jantar, o banho das crianças, dar atenção ao marido... E sobra tempo para ela?

Com tudo isso, há questões de finanças que são sim específicas para as mulheres. As casadas precisam se preocupar com a gestão da casa e manter um orçamento. As grávidas planejam tudo para a chegada dos filhos. As mães devem conseguir ensinar o valor do dinheiro para suas crianças. As separadas, então, de repente se vêem cheias de questões sobre como vão cuidar do seu dinheiro sozinhas de novo, quanto custa de fato a vida que elas levam, como discutir pensão com o ex. Estes são pequenos exemplos que mostram como é importante falar de dinheiro só para elas.

Isso aqui não é um clube da luluzinha, pelo contrário! Os homens são convidados a participar, podem encontrar algumas dicas que mostram tudo que as mulheres da vida dele estão tendo que encarar e até contribuir nessa nossa discussão. Não tem aquela história que as revistas femininas são um prato cheio para os homens que querem entender mais sobre as mulheres? Então, fica a dica de que este será um espaço para falar de todas as questões financeiras da mulher...

Se tiverem alguma dúvida ou quiserem sugerir algum assunto, é só deixar nos nossos comentários.

Um abraço,

Carolina

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Deixe seu comentário

Perfil da blogueira

Carolina Ruhman Sandler é fundadora do Finanças Femininas (www.financasfemininas.com.br), o primeiro site de finanças para mulheres do Brasil.